segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Resenha {Livro} - As grandes aventuras de Daniella (L.L. Alves)

Após sair de um emprego onde não era valorizada e pronta para ingressar na empresa recém aberta de seu namorado, o advogado Thiago,  Daniella está empolgada e ansiosa com essa nova etapa em sua vida. Com um namorado-quase-noivo bonito, atencioso e carinhoso, amigas protetoras e leais e um novo emprego que promete perspectivas de algo novo e diferente, Daniella acredita que a vida não poderia ser melhor. Mas será mesmo isso o que ela sempre sonhou para si mesma?

O livro, narrado pela protagonista (a Dani) conta as histórias - aventuras e peripécias - do cotidiano da jovem no processo de descobrimento de si mesma, onde podemos ver um enorme amadurecimento da personagem, que de insegura e às vezes meio triste torna-se confiante e alegre; e é isso o que faz a personagem (e toda a história) ser tão real e identificável para nós, leitores, que nos vemos facilmente em alguns momentos da história de Daniella.

"Como casal aprendemos tanto e temos que engolir tanto. Não sou uma pessoa fácil e ele também não é. Então aqui estou eu, esperando que ele me leve até o trabalho, onde trabalharemos juntos novamente, mas dessa vez vai ser diferente. Ele está seguindo seu caminho , está finalmente conseguindo seguir seus sonhos. E eu? O que eu quero da vida? Nesse momento não tinha a menor ideia e acho que o desespero é bom às vezes. Ele nos faz abrir os olhos para mais oportunidades, para atitudes que nem pensávamos em tomar."
(L.L. Alves - As grandes aventuras de Daniella)


Com as doses certas de humor (ri horrores com as situações da Dani - e não vou contar aqui para não perder a graça ^^), drama e emoção, "aventuras", e personagens carismáticos, que ao final da leitura tornam-se verdadeiros amigos do leitor, As grandes aventuras de Daniella provou-se um chick-lit de qualidade da literatura nacional e uma ótima história da literatura contemporânea. Um livro para todos e todas; leitura mais que recomendada!

199 páginas | 1° edição | 2015 | Compre o ebook pela Amazon clicando aqui
* Também disponível em formato físico pela editora Arwen; compre o seu clicando aqui





domingo, 16 de agosto de 2015

{Especial Marvel - Parte 1} Séries do universo Marvel que você precisa assistir

Sempre gostei dos filmes de super-heróis da Marvel, bem como dos desenhos (saudades X-men: Evolution ♥), mas nunca me aprofundei no universo cinematográfico como agora.
Desde o lançamento recente dos livros da Editora Novo Século inspirados nos quadrinhos da Marvel, esse mundo dos super-heróis tem me fascinada cada vez mais. Por isso, resolvi fazer uma série de posts em homenagem aos quadrinhos, aos livros, aos filmes e às séries do universo de Stan mito Lee ♥
Hoje, no primeiro post, falarei um pouco sobre duas séries maravilhosas que possuem diversas conexões e referências (Capitão América approves XD) com os filmes da franquia. Vamos lá?!

A primeira série que comentarei aqui é Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D., que se passa após os acontecimentos do primeiro filme dos Vingadores.
Direferentemente dos filmes, o foco da série não são os heróis, mas sim os agentes da S.H.I.E.L.D. (Superintendência Humana de Intervenção, Espionagem, Logística e Dissuasão) e a própria organização de apoio aos heróis. A trama gira em torno da volta do agente Coulson, supostamente morto no primeiro filme dos Vingadores que, tendo se recuperado, reúne um grupo seleto com os melhores agentes da S.H.I.E.L.D. a fim de resolverem missões especiais.
Os agentes Maria Hill e Phillip Coulson

No episódio piloto da série, vemos um homem com super poderes que não fora registrado como herói até então; num acidente que ocorre na cidade, o homem é flagrado por Skye, uma jovem hacker, que não acredita que a S.H.I.E.L.D. tenha boas intenções com os heróis, e tenta ajudar o homem. Mais tarde, tendo sido capturada pela equipe de Coulson, Skye percebe que a S.H.I.E.L.D. não é exatamente aquilo que ela pensava. Mas será que ela estará disposta a mudar seu pensamento sobre aqueles que ela julgava seus inimigos?
A equipe de Coulson, com a ajuda de Skye, e os agentes Simmons, Fitz, May e Ward.

Essa (e outras questões) descobrimos ao longo da primeira temporada da série, que nos episódios finais revela-se repleta de surpresas e mistérios a serem revelados nas próximas temporadas.
Atualmente, a série possui duas temporadas completas e a terceira está por vir (só não sei ainda quando). Comecei a assistir à segunda temporada agora posso adiantar que tem muita coisa para acontecer ainda; perguntas da primeira temporada são respondidas e outras tantas são criadas (que deverão sendo respondidas ao longo dessa temporada). Só um conselho: assistam o quanto antes!

A outra série que comentarei no post de hoje é Agent Carter, que conta a história da personagem Peggy Carter (ex-namorada de Steve Rogers/Capitão América e fundadora da S.H.I.E.L.D.).
Em plenos anos 1940, pós guerra e desaparecimento/morte do Capitão, a agente Peggy tem agora que lidar com um trabalho na SSR (Stategic Scientific Reserve/RCE - Reserva Científica Estratégica), onde é tratada inferiormente por ser mulher (retratando de maneira fiel os aspectos da sociedade machista da época). Até que ela encontra Howard Stark (pai do Tony Stark/Homem de Ferro ♥), amigo dela e de Steve, que está sendo acusado de traição aos EUA por supostamente ter vendido suas invenções ao inimigo do país, e precisa agora da ajuda da agente para limpar seu nome.
Peggy e Howard

Entretanto, o maior problema dos EUA (e de Peggy), não é Howard, que acaba servindo de distração para os reais - e terríveis - planos do inimigo do país. 
Com muita ação do início ao fim, a série desenvolve-se com as investigações de Peggy a fim de inocentar Howard, prendendo nossa atenção pelas lutas, inteligência e perspicácia da agente em companhia de amigos fiéis que a ajudarão nessa busca, como o motorista do sr. Stark, Edwin Jarvis, e a amiga de Peggy, Angie.
Howard, Peggy e Jarvis

Atualmente, a série possui uma temporada lançada e acredita-se que a segunda está por vir (já que o episódio final deixou uma ótima "brecha" para continuação).
Para essa série, vale o mesmo conselho: assista, pois vale a pena.

Ambas as séries são incríveis e complementam as histórias que conhecemos (e amamos ♥) do universo cinematográfico da Marvel.



terça-feira, 11 de agosto de 2015

Resenha {Livro} - Pollyanna Moça (Eleanor H. Porter)

Boa tarde caros leitores e leitoras do meu Brasil! Como vão indo?
Hoje trago para vocês a resenha de um livro que a muito tempo eu tinha vontade de ler. Um livro que eu cheguei citar em um post (esse aqui) como alguns dos livros que eu tinha vontade de ler. E agora tive a oportunidade de ler a continuação da primeira história que me encantou a ponto de gostar de ler ^-^

E a protagonista mais otimista da história está de volta.
Após se recuperar do acidente que a deixou impossibilitada de andar durante um tempo, Pollyanna volta a cidade de Beldingsville, onde agora mora com sua tia Polly e seu novo tio, Dr. Chilton. Agora com 12 anos de idade, a jovem ainda mantém a simplicidade e continua com seu jogo do contente, levando mais pessoas a jogarem o jogo.
Tia Polly deverá fazer uma viagem com seu marido a Alemanha, deixando Pollyanna em algum local enquanto viajam. 
Enquanto isso, Della Wetherby, uma das enfermeiras que trabalha no sanatório onde Pollyanna esteve durante sua recuperação, está preocupada com sua irmã, Ruth Carrew, que vive em melancolia desde que seu sobrinho Jamie desapareceu. Della então tem a ideia de levar Pollyanna para passar alguns dias com Ruth em Boston, sabendo o que a menina já fez por tanta gente. Assim, ela escreve a Polly e Dr. Chilton pedindo que deixem que Pollyanna vá. Tia Polly não aceita de imediato, pois acha errado "usarem" Pollyanna como se a menina fosse um remédio. porém, após receber outra carta, dessa vez do doutor, amigo de seu marido, que cuidou de Pollyanna, ela acaba cedendo e deixa que Pollyanna vá a Boston enquanto ela e o marido fazem a viajem. 
A única condição de tia Polly é de não contar a Pollyanna o real motivo dela ir a Boston.

"[...] Porém, se conscientemente ela for outra que não o seu estado natural, alegre e feliz, jogando o jogo que seu pai lhe ensinou, então se tornaria, como disse a enfermeira, 'insuportável'. Por iso, seja o que for que eu resolva dizer a ela, não vou anunciar que vai morar com Mrs. Carew para alegrá-la."
(Eleanor H. Porter, p.27)

E assim, com essa missão (mesmo que inconscientemente), Pollyanna vai a seu destino.
Chegando lá, ela fica fascinada pela cidade e por todos a sua volta. Mrs. Carew, entretanto, não sente o mesmo, e já pensava em mandar a menina de volta logo assim que está chegou. Ela ainda acha que Pollyanna vai dar sermões a ela sobre como deveria estar feliz pelas coisas simples, dizendo sempre a irmã que se alguma vez a menina tentar isso, ela a mandará de volta. 
Pollyanna pouco a pouco vai conhecendo a cidade. A menina não entende o porque das pessoas não quererem conversar, nem tampouco a enorme desigualdade social que há entre os moradores: uns tendo tanto dinheiro enquanto outros mal têm o que comer. Ela não compreende porque isso ocorre e questiona Mrs. Carew, em especial pela senhora ter tudo e não ser feliz.
Os dias vão passando e Pollyanna consegue conversar com algumas pessoas da cidade (o que ela mais queria); lá ela conhece a jovem Sadie Dean e o menino Jimmy, que logo se tornam seus amigos. Ela percebe que Jimmy jogava o jogo do contente sem nem mesmo perceber e fica encantada por ele conseguir jogá-lo apesar de sua situação. Mrs. Carew, por sua vez, está mudando desde a chegada de Pollyanna, mesmo sem perceber ou admitir. E passados mais alguns dias, Pollyanna retorna a  Beldingsville. Dessa vez, porém, a menina não fica muito tempo por lá, causando certa tristeza nos moradores, em especial em seu amigo Jamie. Ela vai morar na Alemanha com tia Polly e Dr. Chilton por um tempo.
Há uma passagem de tempo na história. Pollyanna, agora com 20 anos, retorna a Beldingsville para ficar. Somente alguns na cidade sabem de seu retorno; e esses se perguntam como estará Pollyanna. Será ela a mesma, com seu jogo do contente, depois de tantos anos?

Muitas surpresas estão por vir no desfecho dessa história, que encantou e encanta até hoje. Uma leitura mais que recomendada aos que já leram a história de Pollyanna ainda criança ^-^

224 páginas | 2° edição | 2008 | Martin Claret



quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Maratona Literária de Inverno e como eu falhei miseravelmente nela

Sorry Barney, I've failed.

Eu tentei. Eu juro que tentei concluir essa maratona literária. Era fácil, eles disseram; você terá tempo, eles disseram; aproveite as férias da faculdade, eles disseram... Eu só não contava com uma coisinha: Eu iria ler tudo quanto livro, menos os da maratona. 

Li mesmo, de tudo um pouco, sem dó nem piedade. *muahahahaha* (risada do mal)

Eu até que comecei direitinho seguindo os livros que havia selecionado (Ordem, seu lindo <3); mas levei DUAS semanas lendo esse bendito desse livro enorme; daí começou a desandar tudo!
Quando terminei de ler, pensei: "Ah, não vai fazer mal se eu ler um livrinho fininho antes de pegar o livro da segunda semana ou até mesmo o da terceira semana..." Eis então que pego o Homem-Formiga: Inimigo Natural para ler, pois havia acabado de chegar na livraria e eu estava louca para ler (eu já falei que trabalhar dentro duma livraria tem lá suas desvantagens?!). Comecei a ler, me empolguei toda na leitura (ôh livro danado de bom *-*), terminei em alguns dias e estava pronta para ler o da maratona... e aí eu me lembro que ainda tinha o livro do Clube do Livro Campo Grande pra ler: A Arma Escarlate, da autora brasileira Renata Ventura (uma fofa <3), com suas 485 páginas.
Eu juro que o livrão me encarou assim O.O

E lá fui eu ler. Chorei, ri, me irritei com o Hugo (protagonista da história - mas isso já é assunto pra outro post), terminei de ler o livro em uma semana, bem a tempo para o clube do livro, conheci a fofa da autora, autografei meus livrinhos (no fim das contas, acabei comprando o dois também - não disse que trabalhar numa livraria tem lá suas desvantagens?! :S) e depois disso só me restaram DOIS dias de maratona literária.

Ler três livros em dois dias?! Impossibru!

E assim eu falhei miseravelmente em concluir essa maratona. Mas... (tem sempre um "mas") teve um lado bom na minha tentativa falha de terminar a maratona: eu li como se não houvesse o amanhã *-------* Li tudo o que tinha vontade de ler desde o começo do ano mas não podia por causa da faculdade.
Percy Jackson aproves

No final das contas valeu a pena. E nem ressaca literária eu tive após ler esses livros (maravilhosos, por sinal *-*).

---------------------------------------------
O post INutilidade pública de hoje chegou ao final. Por hoje é só e até a próxima.