terça-feira, 17 de outubro de 2017

{Curiosidades literárias} Dedicatórias inusitadas

Todo livro (e outras publicações, como as acadêmicas) possui uma página reservada à dedicatória, onde o(a) autor(a) dedica sua obra a alguém em especial, de certa forma homenageando a pessoa (ou pessoas) a quem a dedicatória se dirige.
Estas dedicatórias podem ser curtas, longas, dirigidas a uma ou mais pessoas, e em geral carregam uma dose de emoção. Entretanto algumas se destacam pelo bom humor empregado, resultando numa série de dedicatórias hilárias e inusitadas como as que podem ser vistas a seguir:
Para minha esposa Marganit 
e meus filhos Ella Rosa e Daniel Adam, 
sem os quais este livro estaria 
completo dois anos antes.
Para todos com uma linha vermelha 
embaixo do nome no Microsoft Word
Este livro é dedicado a Kanye West 
porque ele nunca irá ler isto
Para mamãe
(apenas pule as cenas de sexo, por favor)
Para minha esposa Karen, que é 90% 
inspiração e 90% paciência.
No, isso não corresponde a 180%. 
Ela é multitarefa.
Para Colin Firth
Você é um cara bem legal, mas eu sou casada, 
então eu penso que devemos ser apenas amigos.
Este livro é dedicado a todo professor(a) que ama 
ensinar mas odeia toda porcaria que vem com isso...
Para mamãe e papai,
Não poderia ter feito isso sem
Seu material genético
Para Joshua e Noah,
Gratidão, meus queridos meninos, por me lembrarem constantemente
que idade não é algo que importa a não ser que você seja um queijo
Este livro é para meus
pais, que tentaram

* Traduzido de 10+ Times Writers Took Book Dedications To Another Level (veja essas e outras dedicatórias inusitadas no post original, em inglês 😉)

sábado, 14 de outubro de 2017

{Lançamentos} Outubro na Arqueiro

Apostando nos livros de autores já consagrados e trazendo também novidades pro cenário editorial brasileiro, a editora Arqueiro trás lançamentos variados para este mês. Confira:
A origem (Dan Brown)
432 páginas | Preço: R$ 49.90
DE ONDE VIEMOS? PARA ONDE VAMOS?
Robert Langdon, o famoso professor de Simbologia de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbao para assistir a uma apresentação sobre uma grande descoberta que promete “mudar para sempre o papel da ciência”.
O anfitrião da noite é o futurólogo bilionário Edmond Kirsch, de 40 anos, que se tornou conhecido mundialmente por suas previsões audaciosas e invenções de alta tecnologia. Um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, há 20 anos, agora ele está prestes a revelar uma incrível revolução no conhecimento… algo que vai responder a duas perguntas fundamentais da existência humana.
Os convidados ficam hipnotizados pela apresentação, mas Langdon logo percebe que ela será muito mais controversa do que poderia imaginar. De repente, a noite meticulosamente orquestrada se transforma em um caos, e a preciosa descoberta de Kirsch corre o risco de ser perdida para sempre.
Diante de uma ameaça iminente, Langdon tenta uma fuga desesperada de Bilbao ao lado de Ambra Vidal, a elegante diretora do museu que trabalhou na montagem do evento. Juntos seguem para Barcelona à procura de uma senha que ajudará a desvendar o segredo de Edmond Kirsch.
Em meio a fatos históricos ocultos e extremismo religioso, Robert e Ambra precisam escapar de um inimigo atormentado cujo poder de saber tudo parece emanar do Palácio Real da Espanha. Alguém que não hesitará diante de nada para silenciar o futurólogo.
Numa jornada marcada por obras de arte moderna e símbolos enigmáticos, os dois encontram pistas que vão deixá-los cara a cara com a chocante revelação de Kirsch… e com a verdade espantosa que ignoramos durante tanto tempo.

Entre irmãs (Frances de Pontes Reebles)
Tradução: Maria Helena Rouanet | 576 páginas | Preço: R$ 54.90
Ganhador do Prêmio de Ficção do Friends of American Writers e agora adaptado para o cinema, Entre irmãs é uma história de amor e lealdade, um romance arrebatador sobre a saga de uma família e de um país em transição.
Nos anos 1920, as órfãs Emília e Luzia são as melhores costureiras de Taquaritinga do Norte, uma pequena cidade de Pernambuco. Fora isso, não podiam ser mais diferentes.
Morena e bonita, Emília é uma sonhadora que quer escapar da vida no interior e ter um casamento honrado. Já Luzia, depois de um acidente na infância que a deixou com o braço deformado, passou a ser tratada pelos vizinhos como uma mulher que não serve para se casar e, portanto, inútil.
Um dia, chega a Taquaritinga um bando de cangaceiros liderados por Carcará, um homem brutal que, como a ave da caatinga, arranca os olhos de suas presas. Impressionado com a franqueza e a inteligência de Luzia, ele a leva para ser a costureira de seu bando.
Após perder a irmã, a pessoa mais importante de sua vida, Emília se casa e vai para o Recife. Ali, em meio à revolução que leva Getúlio Vargas ao poder, ela descobre que Luzia ainda está viva e é agora uma das líderes do bando de Carcará.
Sem saber em que Luzia se transformou após tantos anos vagando por aquela terra escaldante e tão impiedosa quanto os cangaceiros, Emília precisa aprender algo que nunca lhe foi ensinado nas aulas de costura: como alinhavar o fio capaz de uni-las novamente.
Lady Whistledown contra-ataca (Julia Quinn, Mia Ryan, Suzanne Enoch e Karen Hawkins)
Tradução: Marcelo Schild, Rachel Agavino, Maria Carmelita Dias e Janaína Senna | 352 páginas | Preço: R$ 39.90
Com a participação especial da famosa cronista da sociedade criada por Julia Quinn, Lady Whistledown contra-ataca é formado pelas narrativas curtas de quatro escritoras consagradas, tendo como fio condutor o roubo de uma pulseira milionária. Seus contos são como pérolas que se unem e formam uma peça de valor inestimável. 
Quem roubou o bracelete de lady Neeley?
Terá sido o caça-dotes? O apostador? A criada? Ou o libertino? Londres está fervendo com as especulações, mas, se ainda restam muitas dúvidas, pelo menos uma coisa é certa: um desses quatro está envolvido no crime.
Crônicas da sociedade de lady Whistledown, maio de 1816
Julia Quinn encanta...
Um belo caçador de fortunas foi enfeitiçado pela debutante mais desejada da temporada. Agora ele precisa provar que o que deseja é o coração da jovem, não o dote dela. 
Mia Ryan delicia...
Uma criada adorável e espirituosa está deslumbrada com as atenções românticas que tem recebido de um charmoso conde. Mas um relacionamento entre eles seria escandaloso e poderia arruinar a reputação dos dois.
Suzanne Enoch fascina...
Uma jovem inocente que passou a vida evitando escândalos de repente se vê secretamente cortejada pelo maior libertino de Londres.
Karen Hawkins seduz...
Um visconde que vaga sem destino volta para casa para reacender o fogo da paixão de seu casamento, mas descobre que sua linda e decidida esposa não será conquistada tão facilmente.
A irmã da pérola
Série "As sete Irmãs" #4 (Lucinda Riley)
Tradução: Viviane Diniz | 528 páginas | Preço: R$ 49.90
Em A irmã da pérola, quarto volume da série As Sete Irmãs, duas jovens de séculos diferentes têm seus destinos cruzados numa emocionante história sobre amor, arte e superação.
Ceci D’Aplièse sempre se sentiu um peixe fora d’água. Após a morte do pai adotivo e o distanciamento de sua adorada irmã Estrela, ela de repente se percebe mais sozinha do que nunca. Depois de abandonar a faculdade, decide deixar sua vida sem sentido em Londres e desvendar o mistério por trás de suas origens. As únicas pistas que tem são uma fotografia em preto e branco e o nome de uma das primeiras exploradoras da Austrália, que viveu no país mais de um século antes.
A caminho de Sydney, Ceci faz uma parada no único local em que já se sentiu verdadeiramente em paz consigo mesma: as deslumbrantes praias de Krabi, na Tailândia. Lá, em meio aos mochileiros e aos festejos de fim de ano, conhece o misterioso Ace, um homem tão solitário quanto ela e o primeiro de muitos novos amigos que irão ajudá-la em sua jornada.
Ao chegar às escaldantes planícies australianas, algo dentro de Ceci responde à energia do local. À medida que chega mais perto de descobrir a verdade sobre seus antepassados, ela começa a perceber que afinal talvez seja possível encontrar nesse continente desconhecido aquilo que sempre procurou sem sucesso: a sensação de pertencer a algum lugar.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Resenha {Livro} O sol também é uma estrela (Nicola Yoon)

Exemplar de cortesia da editora

O sol também é uma estrela, segundo romance da jamaicana Nicola Yoon, apresenta Natasha e Daniel, dois jovens diferentes que não poderiam ser mais parecidos.
Natasha é prática e acredita e nos fatos em detrimento das coincidências e da fé, sendo por vezes pessimista conforme sua própria concepção. Já Daniel é um sonhador que acredita na fé e no amor, sendo otimista quanto ao alcance de seus sonhos.
Ele, nascido nos EUA e filho de coreanos, quer mesmo é ser poeta quando o que seus pais querem é que ele faça faculdade e estude medicina., deixando-o assim num dilema entre seguir seus sonhos ou os objetivos de seus pais, que só querem o melhor para ele.

“ [...] Não quero ficar preso a uma coisa que não significa nada para mim. Essa trilha onde estou... ela segue sem fim. Yale. Faculdade de medicina. Residência. Casamento. Filhos. Aposentadoria. Asilo de idosos. Funerária. Cemitério.”
(Nicola Yoon, p. 84)

Ela, nascida na Jamaica e que foi morar ainda bem nova nos EUA com a família, está para ser deportada com seus pais e o irmão de volta a seu país natal muito em breve, o que de certa forma aumenta suas descrenças na esperança, no “impossível tornar-se realidade”.

"Como é que este pode ser o mesmo dia? Como é que todas essas pessoas podem continuar com a vida sem saber nada do que acontece na minha? Às vezes o mundo da gente balança com tanta força que é difícil imaginar que quem está ao redor não perceba também. Foi assim que me senti quando recebemos a ordem de deportação [...]"
(Nicola Yoon, p. 196)

No dia em que Natasha está para ser deportada com a família, ela ainda vai tentar um último recurso a fim de permanecer nos EUA, enquanto Daniel se encaminha para sua entrevista de admissão na faculdade com a cabeça ainda cheia de dúvidas a respeito do futuro. E entre encontros e desencontro, os dois se conhecerão e descobrirão que estavam destinados (segundo Daniel) um ao outro.

Coincidências ou não, o universo os liga, bem como aos demais personagens da narrativa, que aos poucos vamos descobrindo o papel de cada um dentro da trama.
Os capítulos contados sob pontos de vista diferentes (um de Natasha e um de Daniel)

Apesar de tudo acontecer muito rápido, afinal a narrativa se dá em sua maior parte em apenas um dia - o dia que os protagonistas se conhecem -, nada é muito forçado ou clichê, mostrando como a forma com que a narrativa é conduzida pela autora é tão importante quanto a história em si (#LiteraturaFeelings ), tornando a leitura bastante prazerosa e dinâmica (li o livro rapidinho, em dois dias *-*).

Uma história fofa e ao mesmo tempo reflexiva recomendada para todos os tipos leitores ;)

“[...] Têm a sensação de que a duração de um dia é mutável, e que no início jamais dá para ver o final. Têm a sensação de que o amor muda todas as coisas o tempo todo.
É para isso que o amor existe.”
(Nicola Yoon, p. 268)

276 páginas | 1ª edição | 2017 | Arqueiro




terça-feira, 10 de outubro de 2017

🐢 "Tartarugas até lá embaixo" hoje nas livrarias 🐢

Depois de seis anos, milhões de livros vendidos, dois filmes de sucesso e uma legião de fãs apaixonados ao redor do mundo, John Green, autor do inesquecível A culpa é das estrelas, lança o mais pessoal de todos os seus romances: Tartarugas até lá embaixo.
A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.

Saiba mais sobre o novo livro de John Green no hotsite oficial de Tartarugas até lá embaixo clicando aqui.

sábado, 7 de outubro de 2017

{Lançamentos} Outubro na Rocco

Com livros para todos os gostos, o mês de outubro na Rocco está recheado de novidades. Vem conferir!

VIDAS MUITO BOAS 
As vantagens do fracasso e a importância da imaginação (J.K. Rowling)
“Como podemos aproveitar o fracasso?” “Como podemos usar nossa imaginação para melhorar a nós e os outros?” J.K. Rowling responde essas e outras perguntas provocadoras em Vidas muito boas, versão em livro do famoso discurso de paraninfa da autora da série Harry Potter na Universidade de Harvard, que chega às livrarias brasileiras no dia 7 de outubro. Baseado em histórias de seus próprios anos como estudante universitária, a autora mundialmente famosa aborda algumas das mais importantes questões da vida com perspicácia, seriedade e força emocional. Um texto cheio de valor para os fãs da escritora e surpreendente para todos que buscam palavras inspiradoras.
Tradução: Ryta Vinagre | Páginas: 80 | Preço: R$ 29,90

A DELAÇÃO (John Grisham)
Corrupção, conflito de interesses, favorecimentos ilícitos, compra de sentenças, delações premiadas... Parece Brasília, mas é a trama do novo romance de John Grisham. Lacy Stoltz trabalha para o Conselho Judicial da Flórida e investiga a atuação da juíza Claudia McDover no processo que autorizou a construção de um cassino em terras indígenas, abrindo caminho para a ampliação dos negócios de um certo Vonn Dubose. Ganancioso e nada ético, Dubose não mede esforços para alcançar seus objetivos, comprando o apoio da juíza McDover numa trama que envolve falcatruas e assassinato, e que colocará em risco até mesmo a vida de Lacy Stoltz e seus colegas do Conselho de Conduta Judicial. Veterano da lista dos mais vendidos do The New York Times, com mais de 30 livros publicados, vários deles transformados em filmes de sucesso, Grisham mostra que segue em ótima forma com este clássico thriller de tribunal.
Tradução: Maira Parula | Páginas: 384 | Preço: R$ 39,90

OS ROMANOV 
O fim da dinastia (Robert K. Massie)
No centenário da Revolução Russa, Os Romanov – O fim da dinastia se debruça sobre os momentos finais da família imperial russa. Escrito à maneira de uma história de detetives por Robert K. Massie, historiador e ganhador do Prêmio Pulitzer de literatura, autor dos sucessos Catarina, a Grande, e Nicolau e Alexandra, o livro recria o sinistro massacre que pôs fim à vida do último czar e de seus familiares, revela a culpa e a dissimulação de Lênin e de seus comparsas e relata em detalhes dramáticos e cheios de suspense as tentativas para descobrir a verdade na Rússia pós-comunista. O livro mostra o papel fundamental de cientistas, investigadores forenses, políticos e outras figuras importantes na descoberta da verdade por trás da morte dos Romanov e responde a uma série de perguntas que cercam esse evento trágico e memorável, especialmente após a exumação, em 1991, de nove esqueletos encontrados numa cova rasa na Sibéria, próximo ao infame porão onde os 11 membros da família foram assassinados setenta e três anos antes.
Tradução: Ângela Lobo de Andrade | Páginas: 280 | Preço: R$ 39,90

A ASCENSÃO DO MAL 
Dorothy tem que morrer #2 (Danielle Paige)
Em Dorothy tem que morrer, Amy Gumm é uma garota do Kansas levada por um tornado para o mundo encantado de Oz. O que ela encontra por lá, porém, é uma paisagem bem diferente da descrita no clássico de L. Frank Baum, governada com mão de ferro por uma certa Dorothy Gale. Para fazer de Oz uma terra livre novamente, Amy precisa remover o coração do homem de lata, roubar o cérebro do espantalho e tomar a coragem do leão. E aí Dorothy morreria. Mas, em A ascensão do mal, aguardada sequência da série de Danielle Paige, ela continua viva. E o passado de Oz guarda muitos segredos que Amy ainda desconhece. Em quem ela poderá confiar para cumprir sua missão?
Tradução: Cláudia Mello Belhassof | Páginas: 240 | Preço: R$ 34,90  

OS CRIMES DA RUA MORGUE 
E outras histórias extraordinárias (Edgar Allan Poe)
Com “Os crimes da rua Morgue”, Edgar Allan Poe inaugurou, em 1841, a moderna literatura policial e criou um de seus mais célebres detetives, o até hoje reverenciado Auguste Dupin. O conto, que narra a memorável investigação do assassinato de duas mulheres em um quarto fechado, é o carro-chefe desta reunião de histórias de terror e mistério traduzida por ninguém menos que Clarice Lispector. Grande leitora e fã da literatura policial, a escritora, que também verteu para o português os livros de Agatha Christie sob o pseudônimo de Mary Westmacott, empresta seu talento invulgar ao gênio de Poe, trazendo para o leitor brasileiro histórias como “A máscara da morte rubra”, “O gato preto”, “Ligeia” e outras. Lançamento do selo Fantástica Rocco, esta edição de Os crimes da rua Morgue e outras histórias extraordinárias recupera este encontro, literalmente, fantástico.
Tradução: Clarice Lispector | Páginas: 224 | Preço: R$ 29,90 

O GABINETE PARALELO 
Sombras de Londres #3 (Maureen Johnson)
A capital britânica nunca foi tão assustadora. Os túneis subterrâneos, o Marble Arch e as galerias da rede de esgotos de Ranelagh são alguns dos principais cenários da trama de O gabinete paralelo, terceiro volume da série de mistério Sombras de Londres, de Maureen Johnson. No livro, Rory Deveraux se pergunta se não deveria ter voltado para sua pacata cidade nos Estados Unidos, depois de tudo o que viveu desde que chegou a Wexford. Não bastasse descobrir a habilidade de ver fantasmas e enfrentar uma versão moderna de Jack, o Estripador, ela agora sofre a perda de seu amor, Stephen, e teve sua melhor amiga, Charlotte, sequestrada. Mas é tarde para voltar atrás. Rory tornou-se peça-chave no esquadrão que monitora fantasmas em Londres. E enquanto tenta se recuperar de uma série de acontecimentos trágicos e lidar com todo tipo de surpresas do destino, uma terrível ameaça paira sobre a cidade, exigindo que ela mergulhe ainda mais fundo nas Sombras de Londres.
Tradução: Sheila Louzada | Páginas: 352 | Preço: R$ 49,90

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Resenha {Livro} Senhora Einstein (Marie Benedict)

Senhora Einstein é um livro de romance ficcional sobre uma das mais fortes e inteligentes parceiras do século XIX, Mileva Marić, uma jovem que em 1896 vai estudar física na universidade de Zurique, onde é a única mulher da turma, enfrentando assim preconceitos e humilhações.

O livro nos conta a história de uma brilhante estudante de física em uma mistura de fatos reais com ficção, nos fazendo passear pela história de conquistas e tristezas de uma jovem, com cada capítulo contendo uma data especial.   Podemos observar uma Mileva estudante com suas dificuldades, porém encontrando o primeiro amor, que foi o grande físico Albert Einstein; seguindo assim capítulo por capítulo, podemos observar o início do amor e o desenvolvimento da relação dos dois, juntamente com a questão da mesma ser uma mulher que é estudante de física em uma época onde isso não era comum.

Identificamos na obra um pouco do que se sabe sobre a relação dos dois, os filhos, as brigas e a importância que Albert Einstein dava aos seus artigos e suas teorias, que aos poucos foram minando a relação do casal.

Este é o primeiro romance de Marie Benedict, que em minha opinião, soube retratar muito bem, em uma belíssima mistura de realidade com ficção, a história de uma das mais brilhantes personalidades do mundo da física – que infelizmente não é muito conhecida.  Senhora Einstein é um livro maravilhoso para quem gosta de física e para quem também não gosta de física. Um livro onde você encontra uma mulher inteligente e forte que soube ser esposa, companheira, amiga e mãe, mesmo sofrendo muito, tendo seu nome marcado na história mesmo que não seja intitulando os artigos que ela própria ajudou a concluir; e embora não tenha sido da maneira que desejou, ainda assim  Mileva conseguiu ter seu nome na história da física.

Super recomendo a leitura deste livro que já seu tornou um dos meus favoritos. Consegui sentir as angústias e as emoções da personagem, um livro que nos leva a entender um pouco sobre as dificuldades de ser mulher em uma época de preconceitos, de guerras, onde uma mulher estudar era visto como algo completamente fora do comum. Senhora Einstein nos faz viajar em um tempo de guerra onde a figura de uma mulher correta era aquela que fosse somente mãe e esposa.

Leiam e depois façam seus comentários!!

288 páginas | 1ª edição | 2017 | Editora Única



terça-feira, 3 de outubro de 2017

Tag Literária: Halloween 🎃


Hoje tem tag literária, yeah \0/
Faz tempo que não respondo uma tag literária por aqui, então quando vi essa tag maravilhosa no grupo A corte vermelha, não pensei duas vezes: VOU RESPONDE-LA LÁ NO BLOG *-* Então aqui estou eu. Vamos ver as perguntinhas e minhas respostas?!

1. Fantasma: Aquele livro que explodiu no lançamento, mas hoje ninguém mais ouve falar;
A culpa é das estrelas (John Green)
Lembro que logo que laçou o livro, eu fui correndo comprar e ler (que a propósito amei <3), e quando lançou o filme, ele voltou às prateleiras com a nova capa, na edição comemorativa e tudo mais. Só que agora não ouço muito falarem dele, o que é realmente uma pena, já que é uma história linda que me fez rir e me emocionar bastante.
E tem resenha dele aqui no blog. Acesse clicando aqui.

2. Frankstein: Um personagem que todo mundo acha que é um monstro, mas você sabe que no fundo ele é só incompreendido;
Severo Snape, da saga Harry Potter (J.K. Rowling).
Mesmo quando todos achavam que o Snape era o grande vilão da história, eu sempre acreditei na inocência dele; e não apenas isso: também sempre me simpatizei com ele, que nunca foi um personagem de tentar ser algo que não era só para agradar algumas pessoas, mostrando-se assim um personagem verdadeiro, crível, de múltiplas faces e personalidade forte. E por mais que critiquem ele, eu sempre vou amá-lo do jeito que ele era!
3. Morcego: Um livro que você passou a madrugada lendo;
Half-Lies (Sally Green)
Logo depois de ler Half-Bad, eu fiquei maluca pra ler logo a continuação e o conto que entremeava as histórias: Half-Lies,então fui correndo procurá-lo e passei a madrugada toda lendo ele (até porque era só um conto, bem curtinho, então nem demorei muito ^^ 
Tem resenha desse aqui também no blog. Confira dele e do primeiro livro, Half-Badaqui.

4. Zumbi: Uma leitura que você achou difícil e teve que forçar o cérebro para conseguir entrar na história;
Jardins da lua (Steven Erikson)
Quando descobri que a editora Arqueiro iria lançar esse livro, fiquei tipo: PRECISO LER AGORA!!! E assim que ele chegou pra mim de parceria, fui correndo começar a ler e... empaquei :S Mas não pela história ser ruim: pelo contrário.. ela é incrível! Toda a trama criada por Erikson é sem dúvida uma das melhores que eu já li, mas ôh historinha difícil, viu?! A enorme quantidade de personagens, a complexidade do universo, entre outros pontos, me fizeram ficar meio perdida às vezes. Mas no final das contas eu adorei e aguardo agora ansiosamente pela continuação da grande saga de Malazan (que eu espero que saia logo no ano que vem...)
Tem resenha dele aqui no blog. Leia clicando aqui.

5. Bruxa: Um personagem difícil de se relacionar; 
Severo Snape, da saga Harry Potter (J.K. Rowling)
E aqui cito novamente o professor de poções pois apesar de amar o personagem, reconheço que ele era de mesmo muito difícil de lidar, parecendo sempre agir contra o trio de ouro, em especial contra o Harry. 

6. Múmia: Um livro que você enrolou para ler;
Seis anos depois (Halan Coben)
Não sei porque demorei tanto tempo pra ler esse livro. Eu o tinha aqui desde seu lançamento em 2014, quando inclusive o autografei com o mestre, mas só fui lê-lo mesmo no ano passado, DOIS anos depois (desonra pra mim e pra minha vaca!). De qualquer modo, é uma história maravilhosa como todas as que o Harlan Coben consegue criar. Super recomendo ;)

7. Esqueleto: Aquele lançamento que você cansou de esperar;
Half-Lost (Sally Green) 
E descobri recentemente que não será mais lançado aqui no Brasil pela editora Intrínseca (e eu estou muito revoltada com essa decisão da editora que eu tanto gostava ><')

8. Abóbora: um livro que você achou que ia ser maravilhoso, mas virou abóbora no meio do caminho;
The devil wears Prada (Lauren Weisberger)
Quando comecei a ler este livro, esperava (erroneamente) uma história incrível, sabe?! Daquelas que você lê e fica na sua cabeça por dias. Mas infelizmente não foi o que aconteceu. Achei a história bem parada no começo e até mesmo forçada às vezes, o que chegou a me desanimar pra assistir ao filme baseado no livro (que acabou se mostrando melhor do que o livro, ufa!). O que o "salvou" pra mim foi o final, que melhorou um bocado (embora eu tenha esperado mais no começo).
Livros citados nas respostas

Conheça quem criou a tag: https://www.youtube.com/watch?v=oab4Q0FSccg

--------------------------------------------------------------

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Resenha {Livro} Flores partidas (Karin Slaughter)

Exemplar de cortesia da editora ♡

Falar que Flores Partidas foi uma surpresa e tanto é pouco! Ainda mais depois do que eu descobri da autora durante o processo de escrita deste romance (falei sobre isso no post de curiosidades literárias sobre a autora. Acesse clicando aqui). Só sei que virei fã dela e de suas histórias e mal posso esperar para ler todos os seus livros.
Vamos então à resenha...

Há mais de 20 anos a jovem Julia Caroll desaparecera sem deixar pistas, levando consigo a união de sua família, cujos membros separaram-se e seguiram com suas vidas cada um à sua maneira.
Sua mãe, aparentemente mais forte, superara a perda da primogênita após todos esses anos - embora tenha ficado devastada a princípio -, enquanto o pai continuou na esperança de reencontrar a filha mesmo quando todos, incluindo a polícia, desacreditavam que ela um dia retornaria - o que o motivou a escrever diários sobre Julia e o que ele havia descoberto envolvendo seu desaparecimento, a fim de entrega-los à filha quando esta retornasse.

“[...] Sua mãe e eu sempre ficamos muito satisfeitos, em segredo, com o fato de você ser tão determinada e intensa em relação a suas causas. Quando você foi embora, entendemos que essas eram as qualidades que definem os homens como espertos e ambiciosos e as mulheres como um problema.”
(Karin Slaughter, p. 9)

Suas irmãs mais novas haviam cortado laços afastando-se completamente uma da outra após o casamento da caçula, Claire, que se tornou uma mulher rica e bem-sucedida ao lado de um marido sempre presente e atencioso. No entanto, Claire vê sua vida desmoronar quando seu marido é assassinado durante um assalto, morrendo em seus braços, e com a morte dele, Claire faz uma descoberta chocante que a faz enfim reaproximar-se de Lydia, a filha do meio dos Caroll cuja vida somente começara a entrar nos eixos agora, depois de ter passado muitos anos no caminho das drogas. Lydia, mãe solteira e trabalhadora, sente que deve ajudar a irmã mais uma vez. E assim outra tragédia familiar desta vez poderá unir novamente aqueles que nunca deviam ter se separado - mesmo que algumas antigas feridas tenham de ser tocadas com tudo isso.

“Quando Julia desapareceu, todo mundo dizia que era muito trágico algo tão ruim ter acontecido com uma garota tão bacana. Então, quando o delegado revelou a teoria de que ela havia fugido de casa - para se reunir a uma comunidade hippie ou ficar com um rapaz -, o tom mudou, passando de simpatia para acusação [...]”
(Karin Slaughter, p. 148)

Retomando os mesmos temas presentes em A garota dos olhos azuis, conto que antecede este livro único de Karin Slaughter (confira a resenha do conto clicando aqui), a autora cria uma trama repleta de surpresas, ação e emoção ao tratar do papel da família e da sociedade, assim como da violência contra a mulher, seja ela física ou não (que é o foco principal desta narrativa), escrevendo sobre personagens femininas fortes sem ser “super-heroínas”, personagens humanas, com problemas reais e fraquezas mas que não precisam ser salvas a todo momento por um personagem do sexo masculino.
Exemplar da minha mãe autografado pela autora <3

Amei a escrita da Karin e como disse já virei sua fã (eu e minha mãe, na verdade, que também amou a história *-*) e recomendo a todos que gostam de um bom thriller!

395 páginas | 1ª edição | 2017 | Harper Collins Brasil






terça-feira, 26 de setembro de 2017

XVIII: A melhor Bienal do Livro de todas!

Boa tarde meus queridos leitores e leitoras deste meu Brasil. Como vocês estão?
O post deste ano sobre a Bienal do Livro Rio 2017 será em sua maioria sobre gratidão, então senta que lá vem história...

Este ano fui mais uma vez como livreira (um dia eu ainda vou como professora!) e pude aproveitar ainda mais o grande evento graças à credencial que me permitia entrar gratuitamente em qualquer dia que eu fosse, pois se fosse pago eu certamente não iria tantos dias, e este infelizmente foi um ponto hiper negativo na edição deste ano, cuja entrada estava pelo preço absurdo de R$24,00 o ingresso inteiro (ainda mais nesses tempos de crise...).
Mas vamos focar nos pontos positivos desta edição; e já que um ponto negativo foi o preço absurdo da entrada, um dos positivos foram os preços dos livros. Isso mesmo, senhoras e senhores, diferentemente das edições anteriores, este ano tiveram diversos estandes nos três pavilhões com uma enorme variedade de livros a 5, 10 ou 15 reais, todos em excelente estado. Fiz a festa nesses estandes e sai bastante satisfeita, já que achava que compraria bem poucos este ano (e assim a fila de leituras que já estava grande só aumenta, mas fazer o que?! XD)

Outra coisa que melhorou muito nesta edição foi a questão do transporte público. Num ano em que meu “não tão mais querido” estado do Rio de Janeiro está falido, com um caos em todos os setores (inclusive o do transporte), o acesso ao Rio Centro está bem mais fácil graças às novas estações de BRT, Rio Centro e Olf Palm, que ficam praticamente em frente ao espaço, cada uma dando acesso a uma das entradas da feira - e isso, para quem mora na zona oeste do Rio de Janeiro como eu, foi um avanço e tanto...

Algo que me chamou a atenção também foi o tamanho do espaço para o evento, um pouco menor do que nos anos anteriores, porém nem por isso menos interessante. Apesar de não contar com alguns estandes (saudades, Novo Conceito ), outros novos estiveram presentes este ano, como o estande maravilhoso da HarperCollins Brasil, responsável por livros de diversos segmentos, como os da Aghata Christie e outros de romance policial, históricos e até livros sobre Harry Potter. Este estande em especial além de estar com promoções bem legais (consegui dois livros da Aghata lá por menos de 10 reais cada *-*) também contou com um espaço interativo onde eram exibidas mini sessões de filmes de 10 minutos e workshops e palestras com a presença de autores da editora, como o bate-papo com a Karin Slaughter, autora de Flores Partidas.

E por falar em estandes, outro que merece destaque foi o estande da editora Rocco. Inteiramente dedicado a Harry Potter, o espaço contava com diversos itens decorativos para tirarmos fotos, incluindo uma vassoura com um painel simulando um campo de Quadribol. Coisa mais linda da vida <3

Ainda sobre os estandes, o da editora Intrínseca foi um que agradou aos fãs de praticamente todas as suas publicações. Tinham painéis dos livros Extraordinário, Caixa de Pássaros, um dedicado ao autor Neil Gaiman, outro à Jojo Moyes e um do queridinho do momento Para todos os garotos que já amei.

O da editora Leya como sempre contou com o trono de ferro de Game of Thrones, e é claro que eu não podia deixar passar e ir tirar uma foto no trono da Daenerys (desculpa, Cercei, mas o trono é dela :P). Só que este ano foram não um, mas TRÊS tronos pela Bienal, então a fila interminável não ficou tãooo interminável assim, um alívio para nós, leitores

E uma surpresa e tanto nesta edição foi o estande dedicado ao Museu da Língua Portuguesa, com muitas informações sobre nossa língua. Me diverti bastante com as palavras que diferem de um país falante de língua portuguesa para outro e com as origens de algumas palavras da nossa língua.

Nesta edição, diferentemente das anteriores, inclusive da Bienal de São Paulo, que tive a oportunidade de visitar duas vezes, pude aproveitar também os eventos, palestras e bate-papos promovidos por editoras, blogueiros, booktubers e personalidades do mundo geek - este último, uma baita novidade neste ano...
Participei de um dos eventos promovidos pelo The Gift Box, que inclusive estava com uma agenda repleta de eventos exclusivos, em parceria com o blog Cheiro de Livro. Neste, mediado pela sempre competente Frini, conhecemos mais um pouquinho do Cheiro de Livro, do Clube do Livro Saraiva, ambos da Frini, além da 2ª temporada do projeto Lit. Girls, que está vindo com tudo! (Mas isto é assunto para outro post...)

Participei também de um bate-papo com da editora HarperCollins Brasil com a presença da autora Karin Slaughter (que a propósito é um amorzinho <3). No bate-papo com a autora, conhecemos um pouco mais sobre seu processo de escrita, algumas curiosidades e o que poderá vir num futuro não muito distante. Falei mais sobre este encontro super especial neste post aqui.

Falando ainda de editoras, participei do encontro de blogueiros da Seguinte, que num bate-papo bastante descontraído, com novidades literárias e brincadeiras para todos os participantes (inclusive com os autores convidados, Eric Novello e Iris Figueiredo). Até ganhei um livro numa das brincadeiras (na verdade foi a Nessa, aqui da equipe do blog, quem ganhou o livro e me deu *-*).

E teve ainda o evento de Harry Potter da editora Rocco mediado pelos youtubers Thiego, Leo, Caco e Renie, os “Marotos do YouTube”. Não vi muitas novidades não e até achei o evento meio paradinho, mas valeu pelo pedido de casamento super fofo e pelos brindes dos participantes *-* (e se preparem porque tem surpresa pra vocês...)

Outro espaço bem legal foi o dedicado às crianças, que contou com diversas atividades para o público mirim, desde contação de histórias a palestras educativas sobre conscientização, cuidados com o meio ambiente e afins.

E para fechar com chave de ouro, a grande novidade desta edição da Bienal do Livro Rio foi o espaço Geek e Quadrinhos, que comandado pelo Affonso Solano contou com diversas palestras e workshops sobre o universo geek e nerd em geral.
Assisti duas palestras lá, uma sobre mulheres nos quadrinhos e outra sobre estar Wars e gostei de ambas. Conseguimos (nós da equipe do blog) entrar de última hora em ambas e adoramos presenciá-las e aprender um pouquinho mais sobre estes universos que tanto amamos.

Quanto aos autores presentes este ano, amei as escolhas! Pude conhecer duas autoras internacionais (Karin Slaugther e Jenny Han), que são umas fofas, e reencontrar os escritores nacionais que tanto amo (Renato Rodrigues, Eddie Van Feu, Fernanda Nia e Eric Novello), além de enfim conhecer o Pedro Bandeira, o senhor mais fofo e simpático de todos!

E vamos às fotos *-*

Livros autografados - parte 1
Livros autografados - parte 2
Livros autografados - parte 3 (ufa!)
Com a sempre fofa e simpática Fernanda Nia <3
Eu e Nessa, resenhista aqui do Attraverso le Pagine, com o Eric Novello, outro amor de pessoa <3
Com o Pedro Bandeira, uma fofura de pessoa <3
Com o Renato Rodrigues e a Eddie Van Feu, esse super casal da Literatura Fantástica \0/
Com a linda e fofa da Jenny Han *-*
E com a Karin Slaughter, DIVA do thriller e do romance policial *----*
Meu "saldo" desta Bienal, entre livros (a maioria em promoção *-*) e HQs!!!

Mais organizada (apesar do espaço um pouco reduzido) e mais diversificada, esta sem dúvida foi a melhor Bienal de todas! Tirando uns pequenos percalços (filas e mais filas, mas fazer o que, né?!), foi tudo lindo! E agora é aguardar ansiosamente pela próxima edição em 2019...

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Resenha {Livro} A menina que roubava livros (Markus Zusak)

Liesel Meminger é uma menina esperta e curiosa que vê sua vida mudar completamente ao ter de deixar a mãe para viver com Hans e Rosa Huberman - seus agora pais de criação - em meio à Alemanha nazista de Hittler. E para suportar toda a dor que a guerra lhe trouxera - e que ainda iria lhe trazer nos anos seguintes à sua chegada na casa 33 da rua Himmel -, Liesel se encontra no mundo das palavras e dos livros, tornando-se uma roubadora de livros.

“Quando viesse a escrever sua história, ela se perguntaria exatamente quando os livros e as palavras haviam começado a significar não apenas alguma coisa, mas tudo [...]”
(Markus Zusak, p.31)

Seu primeiro “crime” fora o furto do Manual do coveiro, livro que encontrara no dia do enterro de seu irmão, e desde então, a menina não parara mais: de “roubar” livros e de lê-los.
Com a ajuda de Hans Huberman, um verdadeiro exemplo de pai e amigo, e de tantos outros personagens cativantes que encontramos no decorrer na narrativa - esta realizada pela própria morte -, Liesel descobre o poder que as palavras possuem, sejam eles bons ou ruins.

“Sim, o Führer decidiu que dominaria o mundo com palavras [...]”
(Markus Zusak, p.386)

Mais do que um livro sobre a História, este é um livro sobre uma menina descobrindo o mundo, com seus horrores e momentos de alegria, valores familiares, de amizade e de companheirismo. E talvez por isso, eu não consigo escrever muito sobre ele: por ele ser tão incrível a ponto de me faltarem palavras para expressar o quanto a história é boa nos mais diversos sentidos.
E não somente a história em si, mas também a forma como ela é conduzida, com uma narração quase que “poética”, diferente de tudo que eu já li (ainda mais por ser narrado pela morte), sendo praticamente um livro dentro de outro livro, cuja história ficcional - porém baseada em fatos - de Liesel vai se entrelaçando à verdadeira história do nazismo e da Segunda Guerra Mundial.

Este é com certeza um livro que deve ser lido por todos, sem exceção, seja você um entusiasta de História ou não. E eu só me arrependo de não ter lido esta obra literária magnifica há mais tempo, pois sem dúvida teria gostado tanto quanto gostei dela agora.
Fica aqui então minha dica de leitura ;)
478 páginas | 3ª edição | 2013 | Intrínseca