quinta-feira, 27 de abril de 2017

Resenha {Conto} Uma em um milhão (Monica Wood)

E-book gratuito em inglês na Amazon / Livreto cedido pela editora Arqueiro

Sabe aquela história que é simplesmente uma delícia de ler?! Este é o caso de Uma em um milhão, conto que antecede a história narrada em Um menino em um milhão, da Monica Wood, que foi lançado este mês pela editora Arqueiro.

Nesta história conhecemos uma centenária chamada Ona Vitkus, uma senhorinha - ou melhor, senhorita, como prefere ser chamada - que aparenta ainda bastante saúde e lucidez mesmo para seus 100 anos recém completados.
Quando ela recebe a visita de uma estranha da igreja Pentecostal que diz querer dar uma festa de aniversário para Ona com direito à entrevista na TV pelo marco que sua idade representa, a senhorita afirma que não quer isso. Ela quer apenas conseguir renovar sua licença de direção, que vencera recentemente, para que possa continuar a andar com seu carro tão bem conservado (e este é o ponto chave da história que virá no romance que virá em seguida: Ona Vitkus, a pessoa mais velha com uma licença de direção).

"O problema realmente não era ingratidão, mas o seguinte: embora tivesse alcançado o marco impensável dos cem anos de idade, Ona não gostava nem um pouco da ideia de representar o papel da velhota serelepe, dessas que iam logo metendo um chapeuzinho na cabeça ao serem convidadas para uma festa de aniversário. Nunca havia sido serelepe na vida, nem mesmo quando criança. Sempre fora uma pessoa mais série, observadora, cheia de planos na cabeça [...]"
(Monica Wood, p. 3)

Não entrarei em mais detalhes desta história senão poderão surgir alguns spoilers, mais desde já deixo aqui minha recomendação de leitura. Apesar de curtinha, a história é muito gostosa de ler, e a Ona é aquele tipo de personagem que conquista o leitor logo nas primeiras palavras, com seu bom humor e jeito singular (o que me deixa ainda mais ansiosa para ler o livro recém lançado pela Arqueiro).

E aproveitem que a edição digital em inglês está disponível gratuitamente no site da Amazon (adquira-o clicando aqui) e o livreto pode ser adquirido gratuitamente ao comprar o Um menino em um milhão pelo site da livraria Saraiva (compre o seu clicando aqui).

"[...] Ona não se sentia com cem anos de idade, não se via como nenhuma aberração e preferia que as coisas continuassem assim."
(Monica Wood, p. 7)

20 páginas | 1ª edição | 2017 | Arqueiro



terça-feira, 25 de abril de 2017

Geek & Game Rio Festival

Saudações leitores e leitoras!
Hoje vim aqui para falar de um evento mega divertido ao qual pude prestigiar na última semana, o Geek & Game Rio Festival (ou GGRF), o primeiro geek, gamer e nerd do Rio de Janeiro organizado pela Fagga e Supernova e localizado no Riocentro, que contou com a presença de diversas personalidades e empresas ligadas ao mundo geek/nerd, com palestras e workshops dos mais variados temas ao longo dos três dias de eventos, expositores de lojas famosas do universo geek, concursos de cosplay (caracterização e interpretação de personagens) e de games, dentre outras atividades vide programação oficial de cada dia.
Estive presente no primeiro dia (21) com alguns amigos que também curtem games, livros, HQs e afins, e achei que foi uma experiência super válida e divertida. Os palestrantes do dia, entre youtubers, escritores e influenciadores online, foram bem satisfatórios dentro dos temas propostos em suas apresentações, além de atenciosos com o público expectador ao responderem suas perguntas. Adorei a palestra sobre Star Wars, apresentada pelo Anderson Gaveta (Youtuber), Affonso Solano (escritor), Andre Gordirro (escritor) e Tiago Rex (Podcaster), onde os quatro falaram sobre suas experiências e impressões sobre a tão famosa space opera de George Lucas, sempre com muito bom humor e simpatia.
Os expositores presentes foram dos mais variados possível, e creio que isso tenha agradado a maioria (senão a todos), desde editoras para os amantes dos livros, como a Leya, o grupo editorial Record e a Pandorga, a lojas da temática nerg/geek, como a Gift Box, e até um estande da EMB (Escola de Magia do Brasil), com diversos produtos para os Potterheads *-*
Tiveram ainda áreas destinadas aos quadrinistas e escritores nacionais, onde era possível comprar e autografar seus livros e/ou quadrinhos, além de poder bater uma papo bem gostoso com os escritores e ilustradores, e uma área destinada aos criadores de games brasileiros, onde podia-se jogar uma partida de seus jogos e até comprá-los ali mesmo, valorizando assim nossos talentosos artistas nos mais variados seguimentos.
Réplicas em tamanho real do Batman e do Scorpion (vulgo Sub zero amarelo :P) no estande da Lojas Americanas

Sobre os concursos de games e os workshops, não posso comentar pois não assisti nem participei de nenhum dos dois, mas quanto aos games, adorei o espaço disponível para os jogadores amadores (meu caso 0/) matarem a saudade com seus jogos favoritos, fossem eles novos ou antigos (jogar The King of Fighters num fliperema de novo foi nostálgico!), e tudo gratuitamente.
Por fim, não posso deixar de citar os cosplayers, que estavam lindos e bastante fiéis aos personagens que estavam interpretando, além de darem um show de simpatia, tirando fotos incansavelmente ao longo do dia com os demais participantes do evento (eu e meus amigos tiramos fotos com vários deles *-*).

Alguns dos cosplayers que encontramos pelo evento. Padmé Amidala. Tina e Newt (). Luigi, Sr. Madruga e Maria (*-*)
Testemunhamos uma luta épica entre um Jedi e o famoso Sith: Darth Vader; e depois paramos para tirar uma selfie com vô Vader, o grande campeão *-*

A meu ver, o evento um pouco pequeno se levarmos em conta eventos parecidos, como a Brasil Game Show ou a Comic Con Experience ou até mesmo as bienais do livro aqui do Rio e de São Paulo. Por outro lado, levando em consideração que esta foi a primeira edição do evento, no final das contas o "tamanho" foi satisfatório.
Assim, gostei do evento no geral e acredito que com o tempo ele só tem a crescer e melhorar. A única ressalva que eu faço é com relação ao ingresso, que eu achei um pouco caro :/ Porém de resto, gostei, recomendo e pretendo voltar nas próximas edições - e se possíveis, irei mais em mais dias ;)


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Resenha {Livro} A vida secreta das árvores (Peter Wohlleben)

Livro cedido pela editora Sextante (cortesia) ♡

Sinopse: E se tudo o que você sempre pensou saber a respeito das árvores estivesse errado? E se, apesar de tão diferentes de nós, descobríssemos que elas compartilham diversas características dos humanos?
Nos últimos anos a ciência tem comprovado que as árvores e o homem têm muito mais em comum do que poderíamos imaginar. Assim como nós, elas se comunicam, mantêm relacionamentos, formam famílias, cuidam dos doentes e dos filhos, têm memória, defendem-se de agressores e competem ferozmente com outras espécies – às vezes, até com outras árvores da mesma espécie. Algumas são naturalmente solitárias, enquanto outras só conseguem viver plenamente se fizerem parte de uma comunidade. E, assim como nós, cada uma se adapta melhor a determinado ambiente.
Em A vida secreta das árvores, o engenheiro florestal alemão Peter Wohlleben alia seus 20 anos de experiência às últimas descobertas científicas para examinar o dia a dia desses seres fantásticos. Com um ponto de vista surpreendente e inovador, o livro se tornou um fenômeno na Alemanha, entrou para a lista de mais vendidos do The New York Times e teve seus direitos negociados para 18 países. Essa viagem fascinante pela vida das árvores e florestas é um convite a repensarmos nossa relação com a natureza.

Não costumo me interessar por livros de não ficção (a não ser livros específicos da área de Literaturas <3), mas quando ganhei esse livro no evento da Sextante e Arqueiro fiquei intrigada pela proposta que ele traria e resolvi pegá-lo para ler. E olha: que surpresa maravilhosa!

Peter Wohlleben é um engenheiro florestal alemão que foi além das suas tarefas diárias de trabalho ao analisar as árvores mais de perto. Atuando como gestor de uma floresta em Hümmel, na Alemanha, Peter usa sua experiência com esses seres tão pouco explorados que são as árvores para ensinar sobre a vida nas florestas, como elas ajudam umas às outras, bem como os demais seres que compõem todo o ecossistema das matas. 
Com uma linguagem simples, dinâmica e bem embasada cientificamente - haja vista as obras citadas no anexo ao final do livro -, o autor revela diversas curiosidades sobre as árvores, em textos curtos e bem informativos, fazendo com que a leitura tenha uma fluidez incrível!

Deixo aqui então minha recomendação de leitura pra todos os que buscam mais informações sobre as árvores e/ou plantas em geral, bem como àqueles que querem passar o tempo e aprender novas coisas no processo ^^

"Por que as árvores são seres tão sociais? Por que compartilham seus nutrientes com outras da mesma espécie e, com isso, ajudam suas concorrentes? Os motivos são os mesmos que movem as sociedades humanas: trabalhando juntas elas são mais fortes [...]"
(Peter Wohllebem, p. 11)

216 páginas | 1ª edição | 2017 | Sextante

terça-feira, 18 de abril de 2017

Resenha {Livro} - Outlander: A libélula no âmbar (Diana Gabaldon)

Atenção! Esta resenha contém spoilers do primeiro livro (resenha aqui), portanto leia por sua conta em risco ;)
Livro cedido em parceria com a editora Arqueiro para resenha 
Estamos em 1968; 23 anos se passaram desde que Claire Fraser/Randall passara pela fenda nas pedras em Craigh Na Dun, voltando a seu tempo e deixando para trás seu grande amor, Jaime Fraser. 23 anos após Frank Randall ter reencontrado a esposa desorientada sem ter a mínima ideia do realmente acontecera com ela. E é anos depois que Claire retornas às Terras Altas da Escócia acompanhada de sua filha Brianna em busca de respostas.

"- Eu amava Frank - falei em voz baixa, sem olhar para Bree. - Eu o amava muito. Mas a essa altura, Jamie era meu coração e o ar que eu respirava. Não podia deixá-lo. Eu não podia - disse, erguendo a cabeça de repente para Bree, numa súplica. Ela retribuiu o olhar, o rosto impassível."
(Diana Gabaldon, p. 89)

Em A libélula no âmbar, segundo volume da grande série Outlander, de Diana Gabaldon, vemos uma Claire mais madura (e de certa formas mais “endurecida pelo tempo”) e que anseia por saber qual destino teve Jamie e tantos outros que ela conhecera 2 séculos atrás.

Dividia em várias partes, a história começa no retorno de Claire à Escócia onde reencontra Roger, filho adotivo do já falecido reverendo Wakefield, que fora um grande amigo do também falecido Frank e juntos formavam uma boa dupla de entusiastas na história da causa jacobita. Roger voltara à casa paroquial onde seu pai vivera seus últimos anos a fim de organizar suas pesquisas, e entre os livros e documentos do reverendo sobre a história das revoltas escocesas, Claire almeja encontrar alguma coisa que revele se Jaime viera de fato a falecer na famosa batalha de Culloden, revelando assim a sua filha o que lhe acontecera tantos anos antes - no que somos mais uma vez transportados ao passado enquanto Claire narra sua história.

Estamos em meados de 1744 agora. Claire e Jaime, com a ajuda de parentes dele, estão indo rumo à França, e embora o escocês ainda esteja apoiando a causa jacobita, graças ao conhecimento de Claire ambos tentarão evitar a batalha que culminará na morte de dezenas dos habitantes das Terras Altas e no fim de muitos clãs (inclusive do clã Fraser), tendo, portanto, de impedir que os planos do príncipe Charles Stuart cheguem ao ponto da batalha final.

Nesta outra parte da trama, conhecemos a França do século XVIII, seus costumes e tradições, além dos grandes nomes da época, que num misto de ficção e realidade, contracenam com Claire, Jaime, Murtagh e cia. ao longo da história; e a meu ver é exatamente isso o que torna essas histórias tão especiais. A forma como Gabaldon mescla história real com ficção é fantástica (e eu sempre acabo aprendendo bastante sobre a história da Escócia, Inglaterra e etc.), levando-nos ao passado junto com suas personagens enquanto lemos.

"[...] Apenas para nos perdermos um do outro definitivamente, quando entrei no círculo de pedras, atravessei a loucura e saí do outro lado, no passado que era agora o meu presente."
(Diana Gabaldon, p. 544)

Como se não bastasse essa parte histórica (a grande estrela na trama, na minha opinião), há também o romance de Claire e Jaime, ainda mais acentuado neste volume (o que me irritou um pouco, confesso), mas nada que tire o mérito de romance histórico; e por fim podemos vislumbrar toda a força e determinação de Claire, que num passado distante, em meio a lutas e guerras, se mostra sempre uma mulher forte e a frente de seu tempo - seja ele 1968 ou 1744.
Sendo assim, este é o tipo de história que agrada a todos (ou quase todos), mesmo com seu inicialmente intimidante tamanho (mais de 900 páginas), que em diversos momentos nem dá pra “sentir” tanto (só o peso do livro mesmo; mas isso a gente gosta XD). Portanto, leitura recomendadíssima!

E da mesma forma recomendo a série da Starz (Disponível na Netflix ), que atualmente está na terceira temporada, correspondem respectivamente aos livros A viajante do tempoA libélula no âmbar O resgate no mar, está bastante fiel à história criada por Gabaldon e com um elenco e produção incríveis!

935 páginas | 1ª edição | 2016 | Arqueiro






quinta-feira, 13 de abril de 2017

Resenha {Livro} Os 13 porquês (Jay Asher)

Angustiante. Esta é a melhor palavra pra definir este livro, porque caramba... que história!
"No meio da sala, à esquerda, estará a carteira de Hannah Baker.
Vazia."
(Jay Asher, p. 9)

Faz algumas semanas que a jovem Hannah Baker se suicidou, o que chocou a todos na sua cidade. E agora, depois de todo esse tempo, Clay, um garoto introvertido que estudara com Hannah e fora secretamente apaixonado por ela, recebeu uma caixa com 7 fitas contendo 13 gravações de Hannah; essas gravações são destinadas a 13 pessoas diferentes, que segundo a própria Hannah, forma os responsáveis por ela ter feito o que fez. Quem receber a tal caixa, deverá escutar as fitas até descobrir seu nome e o que fez a Hannah, e então escutar a próxima gravação para repassar a caixa com as fitas à próxima pessoa (aquela que está na gravação seguinte).
Agora que Clay recebeu as fitas com as gravações de Hannah, ele precisa saber: o que ele fez? O que foi que ele fez para Hannah que a levou a suicidar-se? Ele só descobrirá o porquê de estar na lista dos “responsáveis” pelo ato de Hannah se escutar as gravações, então é isso que ele faz: escuta cada uma até o final, passando sempre pra próxima e esperando quando seu nome aparecerá. E enquanto faz isso, Clay descobre que nem todas as pessoas são o que aparentam ser, que todos escondem suas verdadeiras intensões. E que uma série de acontecimentos ruins pode arruinar a vida de alguém – especialmente alguém muito jovem.

Já faz um tempo que eu tinha curiosidade de ler esse livro, e quando soube da série baseada nele que estrearia este ano na Netflix, não pensei duas vezes: precisava ler o livro o quanto antes!
Como disse no começo dessa resenha, essa história é angustiante! A todo o momento, enquanto Clay escutava as gravações de Hannah e sentia toda a angustia de não poder mais ajudar Hannah, eu sentia o mesmo que ele. E sentia também raiva pelas pessoas que fizeram com que Hannah cometesse suicídio, algumas incompreensivas, outras puramente egoístas, e outras ainda sem saber o mal que faziam a ela.  O que me fez, como leitora, refletir sobre as coisas que eu já falei ou que já fiz que podem afetar alguém de forma diferente do que afetaria a mim mesma. E eu gostei muito desse livro por tratar de um assunto pouco discutido, principalmente entre os jovens, por ser considerado um tabu na nossa sociedade: o suicídio. Acho que o assunto deveria sim ser discutido, e quando vejo isso sendo feito na ficção - seja por um livro ou um filme -, acho super válido, já que poderá gerar maiores discussões posteriormente.
Sem dúvida indico aqui esta leitura e a indicarei sempre que possível.

"[...] Portanto, as pessoas muitas vezes são levadas a acreditar que a morte foi um acidente. O problema é que não ficamos sabendo o que realmente sentem as pessoas com as quais convivemos."
(Jay Asher, p. 148)

E confira a seguir o trailer da série, que teve sua estreia na Netflix em março deste ano:


244 páginas | 1ª edição | 2009 | Ática




quinta-feira, 6 de abril de 2017

Resenha {Livro} 1° a morrer (James Patterson)

Este livro, que dá início à extensa série O clube das Mulheres Contra o Crime, apresenta Lindsay Boxer, a policial da divisão de homicídios de sua cidade que acaba de se deparar com um duplo assassinato que está chocando a todos: um casal fora brutalmente assassinado em sua noite de casamente num luxuoso hotel no estado da Califórnia. Caberá então à Lindsay investigar este caso, que está sendo um verdadeiro mistério a todos na polícia da região.
Enquanto Lindsay conduz as investigações com Chris Raleigh, um capitão designado pelo governo para acompanhar Lindsay neste caso em específico, a jornalista Cindy Thomas vê no brutal duplo homicídio uma chance de mostrar seu potencial como repórter da seção policial do jornal onde trabalha, e assim decide ir até a cena do crime para tentar obter seu “furo de reportagem”, onde conhece meio que por acaso a policial Lindsay.
No decorrer das investigações, Lindsay decide visitar o necrotério onde trabalha a médica legista Claire Washburn, sua amiga e conselheira, que com sua exímia habilidade de investigação através da morte, será de vital importância para a solução deste caso.
Entretanto, mesmo com todo aparato a sua disposição, a polícia local ainda vê o caso como um grande mistério, o que leva Lindsay, Cindy e Claire a unirem forças e formarem o “Clube das Mulheres Contra o Crime”, fazendo investigações por conta própria, cada uma em suas respectivas áreas de atuação. Então outro casal é assassinado da mesma forma, o que leva Lindsay a crer que se trata de um serial killer maníaco por recém casados - o que já facilita nas buscas pelo assassino. Eis então que surge Jill Bernhardt, assistente da promotoria conhecida por seu exímio talento nos tribunais e que servirá de grande ajuda às investigações “paralelas” do grupo.
Agora a descoberta do assassino está nas mãos dessas quatro mulheres, que se mostram as melhores no que fazem tendo ainda que lutar por suas carreiras - que poderão ficar em risco - num mundo profissional dominado pelos homens.

Não sabemos para que lado o trem foi se olhamos só para os trilhos.
(James Patterson)

Com uma trama repleta de reviravoltas, o livro me conquistou do início ao fim (literalmente ao fim, já que até o último parágrafo foi revelador). Estou fascinada com essa história e mal posso esperar para continuar a ler essa série do James Patterson, que sem dúvida já ganhou uma nova fã!
Super recomendo a todos aqueles que gostam dos bons romances policiais, histórias de investigação, suspense e afins.

374 páginas | 1ª edição | 2008 | Rocco





terça-feira, 4 de abril de 2017

Stalo! - 1º Encontro de Literatura Fantástica

Bom dia meus queridos leitores e leitoras. Como vocês estão?
Hoje eu vim aqui para falar sobre um evento super bacana que aconteceu na última sexta-feira (dia 31) aqui na cidade do Rio de Janeiro. Trata-se do Stalo!, um encontro literário de fãs - para fãs - de literatura fantástica. 
Idealizado e organizado pelo Artur e pelo Diego, ambos do blog Acervo do Leitor e do grupo Reino dos Leitores (aproveitem para visitar o blog e o grupo; ambos são excelentes!), o evento contou com a presença de diversos autores de literatura fantástica nacional, blogueiros (inclusive essa que vos escreve ^^) e leitores (claro :P) para falar e debater sobre uma paixão em comum: a literatura de fantasia. 
Parte da galera reunida antes do evento começar (alguns autores e blogueiros)

O evento, dividido em dois blocos, iniciou com a apresentação do projeto (o Stalo!) e apresentação de cada autor convidado, que contou um pouco sobre sua(s) obra(s), bem como sua trajetória de escritor de fantasia no Brasil.
A seguir vocês conferem a lista dos autores presentes e suas respectivas obras (com link direto para a Amazon):
Romulo Felippe com Monge Guerreiro (loja do autor)
Leonardo Reis com Dragões da tempestade
Danilo Sarcinelli com Passagem para a Escuridão
Diogo Andrade com A Canção dos Shenlongs
Rafael Cordeiro com Até que a morte nos separe
Cristina Pezel com O mundo de Quatuorian
João Paulo Silveira com O último dos guardiões: Insurreição
Stefano Sant’Anna com Inverno Negro

Após a apresentação dos autores, cada blogueiro falou um pouquinho sobre seus respectivos blogs e/ou projetos (incluindo outros eventos literários, como o Clube do Livro de Itaguaí, yeah \0/), e então fizemos uma rápida pausa para então voltarmos a debater sobre a fantasia na literatura brasileira com os escritores Affonso Solano e Enéias Tavares, respectivos autores de O espadachim de carvão e A lição de anatomia do temível Dr. Louis (clique nos títulos para acessar cada livro na página da Amazon), juntamente com o Rapahel Castilho, representante da editora Leya - apoiadora do evento e editora de grande peso no que diz respeito ao gênero fantástico no país.
O escritor Enéias Tavares falando sobre seu livro e sua trajetória como autor

Os três nos contaram suas experiências no mercado literário (como autores, editores e principalmente leitores), respondendo às nossas perguntas sobre o tema num bate-papo bem humorado descontraído, dando-nos a oportunidade de conhecer mais sobre este e outros gêneros literários afins.

Tive ainda a honra de conhecer a escritora Cristina Pezel, que muito gentilmente me cedeu um exemplar de seu livro, O mundo de Quatuorian, o qual eu lerei em breve e resenharei aqui, e no final do evento todos os participantes ganharam um kit bem legal com diversos brindes da editora Leya - e eu consegui mais um exemplar da HQ de O espadachim de carvão autografado, que será sorteado na próxima edição da Masmorra Literária (saiba mais sobre a Masmorra Literária clicando aqui) ;)
Os brindes lindos <3
Depois de ouvi-lo em vários Nerdcasts e MRGs (Matando Robôs Gigantes), tive a honra de conhecer o Affonso Solano de perto *-*
Uma selfie com essa escritora super simpática <3 Mal posso esperar para ler sua obra!!!
Final do bate-papo, agora com toda a galera participante reunida \0/

E assim terminou este evento fantástico! (o trocadilho é inevitável, sorry), onde pudemos conhecer mais sobre este gênero literário maravilhoso, bem como novos autores e novas obras - e desde já desejo muito sucesso a todos os escritores, que estes possam crescer mais e mais a cada dia!
A selfie com a galera toda - Onde está a Belle? :P


sábado, 1 de abril de 2017

{Lançamentos} - Editora Arqueiro e Editora Sextante (Abril de 2017)

Abril chegou (mês do meu aniversário, Iupiii \0/) trazendo muitas novidades literárias das editoras Arqueiro e Sextante. De continuações de séries de aventura, passando por um novo thriller e uma conclusão de uma das aclamadas séries de romances de época, a Arqueiro como sempre vem nos surpreendendo com seus lançamentos; e a Sextante trás mais uma vez livros nos segmentos de negócios e finanças, espiritualidade e história da política no Brasil.
Vamos então conferir quais são esses livros?
Boneco de pano (Daniel Cole)
Lançamento: 10/04 | 336 Páginas
Sinopse: O polêmico detetive William Fawkes, conhecido como Wolf, acaba de voltar à ativa depois de meses em tratamento psicológico por conta de uma tentativa de agressão. Ansioso por um caso importante, ele acredita que está diante da grande chance de sua carreira quando Emily Baxter, sua amiga e ex-parceira de trabalho, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes do corpo de seis pessoas, costuradas de forma a imitar um boneco de pano.
Enquanto Wolf tenta identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias da cena do crime, além de uma lista com o nome de seis pessoas – e as datas em que o assassino pretende matar cada uma delas para montar o próximo boneco. O último nome na lista é o de Wolf.
Agora, para salvar a vida do amigo, Emily precisa lutar contra o tempo para descobrir o que conecta as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Ao mesmo tempo, a sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf, e o detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele – e com seu passado – do que qualquer um possa imaginar

Ligeiramente perigosos (Mary Balogh)
Lançamento: 10/04 | 304 Páginas
Sinopse: Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção.
Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente.
Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.
Em Ligeiramente perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito.

Amanhã eu paro! (Giles Legardinier)
Lançamento: 10/04 | 304 Páginas
Sinopse: Como todo mundo, Julie já fez muitas coisas idiotas na vida. Ela poderia contar sobre a vez que resolveu descer a escada enquanto vestia um suéter e caiu nos degraus, ou quando tentou consertar um plugue ligado na tomada segurando o fio com a boca, ou quem sabe falar de sua fixação pelo novo vizinho que nunca viu: Ricardo Patatras.
Julie tem o irritante hábito de fazer as maiores loucuras quando está apaixonada. E essa obsessão a leva a prender a mão na caixa de correio do vizinho enquanto espiona uma misteriosa carta... E o pior, ainda é flagrada pelo próprio dono da correspondência.
Mas isso não é nada, nada mesmo, se comparado às maluquices que ela vai fazer para se aproximar desse homem e descobrir seu grande segredo. Movida por uma criatividade sem limites, intrigada e atraída por um desconhecido que mora tão perto, Julie assume riscos cada vez mais delirantes, sem perceber que pode cair na própria armadilha.
Dois a dois (Nicholas Sparks)
Lançamento: 03/04 | 512 Páginas
Sinopse: Com uma carreira bem-sucedida, uma linda esposa e uma adorável filha de 6 anos, Russell Green tem uma vida de dar inveja. Ele está tão certo de que essa paz reinará para sempre que não percebe quando a situação começa a sair dos trilhos.
Em questão de meses, Russ perde o emprego e a confiança da esposa, que se afasta dele e se vê obrigada a voltar a trabalhar. Precisando lutar para se adaptar a uma nova realidade, ele se desdobra para cuidar da filhinha, London, e começa a reinventar a vida profissional e afetiva – e a se abrir para antigas e novas emoções.
Lançando-se nesse universo desconhecido, Russ embarca com London numa jornada ao mesmo tempo assustadora e gratificante, que testará suas habilidades e seu equilíbrio emocional além do que ele poderia ter imaginado.
Em Dois a dois, Nicholas Sparks conta a história de um homem que precisa se redescobrir e buscar qualidades que nem desconfiava possuir para lutar pelo que é mais importante na vida: aqueles que amamos.

Um menino em um milhão (Monica Wood)
Lançamento: 10/04 | 304 Páginas
Sinopse: Quinn Porter é um guitarrista de meia-idade que nunca conseguiu deslanchar na carreira. Enquanto aguardava sua grande chance na música, foi um marido e pai ausente, e jamais conseguiu estabelecer um vínculo afetivo com o filho, uma criança obcecada pelo Livro dos Recordes e algumas peculiares coleções.
Quando o menino morre inesperadamente, alguém precisa substituí-lo em sua tarefa de escoteiro: as visitas semanais à astuta Ona Vitkus, uma centenária imigrante lituana.
Quinn assume então o compromisso do filho durante os sete sábados seguintes e tenta ajudar Ona a obter o recorde de Motorista Habilitada Mais Velha. Através do convívio com a idosa, ele descobre aos poucos o filho que nunca conheceu, um menino generoso, sempre disposto a escutar e transformar a vida da sua inusitada amiga. Juntos, os dois encontrarão na amizade uma nova razão para viver.
Um menino em um milhão é um livro sensível, poético e bem-humorado, formado por corações partidos e aparentemente sem cura, mas unidos por um elo de impressionante devoção pessoal.
* Comprando o livro em pré-venda na Saraiva (loja online) você ganha o conto Uma em um milhão, que trás uma historinha anterior à narrada no livro. Garanta o seu clicando aqui.

À margem das sombras (Brent Weeks)
Lançamento: 03/04 | 304 Páginas
Sinopse: ATENÇÃO! Segundo livro da trilogia Anjo da noite. Cuidado com possíveis spoilers!
O jogo parece perdido para a cidade de Cenária.
O golpe impiedoso de Garoth Ursuul, o Deus-rei, foi bem-sucedido. Agora ele domina a cidade, enquanto os invasores de Khalidor massacram habitantes e destroem casas, lojas e esperanças. O antigo governo da cidade foi subjugado e seu líder, substituído.
A magia do Deus-rei é poderosa demais para ser controlada e sua influência se expande até os círculos mais nobres da cidade. As únicas chances de vitória nessa guerra injusta são o honrado Logan Gyre e o derramador Kylar Stern, o Anjo da Noite. Contudo, enquanto o primeiro está enclausurado na mais terrível prisão do reino, o segundo abandonou o caminho da espada e, em nome de Elene, seu grande amor, jurou nunca mais matar.
A resistência agora se resume a ladrões, comerciantes pobres e prostitutas. Mas talvez isso mude muito em breve. Ao descobrir que Logan está vivo, Kylar pode abrir mão da paz que encontrou na nova família e arriscar tudo para retornar ao caminho das sombras.

Originais (Adam Grant)
Lançamento: 03/04 | 272 Páginas
Qual é o segredo das pessoas originais? Será que a criatividade é uma qualidade inata ou uma habilidade que pode ser estimulada ou mesmo aprendida? Em seu novo livro, Adam Grant desmistifica muitas das crenças que existem em torno das mentes criativas.
Ele recorre a uma série de estudos e histórias reais envolvendo o mundo dos negócios, a política, os esportes e o universo do entretenimento para mostrar como qualquer pessoa pode aprimorar sua criatividade, tornar-se capaz de identificar e defender ideias verdadeiramente originais, combater o conformismo e romper com tradições obsoletas.
Você vai conhecer as técnicas bem-sucedidas aplicadas por profissionais que ousaram remar contra a maré e levar seus projetos adiante, como uma funcionária da Apple que desafiou Steve Jobs estando três níveis hierárquicos abaixo dele, uma analista que derrubou a política de sigilo da CIA, um bilionário mago das finanças que demite os funcionários incapazes de criticá-lo e um executivo de TV que impediu que a série Seinfeld fosse cancelada logo no início apesar das pesquisas de opinião desfavoráveis.
Adam Grant demonstra como a originalidade pode ser impulsionada, indicando a melhor forma de se expressar sem ser silenciado, como conquistar aliados em ambientes improváveis, escolher o momento certo de agir e lidar com o medo e a insegurança.
Além disso, comenta como pais e professores podem estimular a criatividade nas crianças e o que os líderes podem fazer para estabelecer uma cultura que promova a divergência de opiniões.

Cultura de excelência (David Cohen)
Lançamento: 03/04 | 208 Páginas
Em meados de 1991, Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, que já tinham construído um verdadeiro império no mundo dos negócios, resolveram dar um passo além e disseminar pelo país a cultura que os levou a conquistar tal sucesso.
Para colocar esse projeto em prática, criaram a Fundação Estudar, concedendo bolsas de estudos a jovens que quisessem cursar MBA nos Estados Unidos. O objetivo era ajudar a melhorar o Brasil melhorando a qualidade de seus executivos e empreendedores.
Com um processo de seleção extremamente rigoroso – baseado nos princípios que Lemann empregara com tanta eficiência no Banco Garantia –, a Estudar procurava jovens que se identificassem com valores como meritocracia, busca de excelência, senso ético, transparência, trabalho duro e metas ousadas.
Ao longo dos anos, a missão da instituição se desenvolveu e sua atuação se expandiu, passando a englobar ações diferenciadas, financiando cursos em outras áreas além dos negócios, dando apoio a estudantes ainda na graduação e criando diversos outros programas de incentivo ao estudo e de apoio à carreira.
Hoje, 25 anos depois, a Fundação Estudar contabiliza seu impacto: 617 ex-bolsistas, 25 mil jovens beneficiados pelos cursos e 15 milhões de pessoas alcançadas pelos canais disponíveis na internet. Entre os profissionais que já passaram pela instituição estão grandes empresários, como Carlos Brito e Hugo Barra, e alguns dos mais promissores talentos do país em diversas áreas de atuação.
Neste livro você vai conhecer a trajetória da Fundação Estudar, seus valores, seus métodos e seus princípios enquanto acompanha as inspiradoras histórias de jovens que tiveram a vida transformada pelo contato com sua cultura.
Em comum, eles não têm apenas um sonho grande: têm uma vontade férrea de seguir em frente e um desejo incansável de fazer a diferença. E essa disposição, segundo Lemann, Telles e Sicupira, é a força capaz de mudar o Brasil.

A morte como despertar (Rajiv Parti com Paul Perry)
Lançamento: 03/04 | 304 Páginas
Chefe de equipe de anestesia de um hospital, Dr. Rajiv Parti só pensava em trabalho, sucesso e dinheiro.
Até que um dia, ao ser operado, ele se viu sendo conduzido ao inferno, onde reencontrou seu pai e compreendeu a origem do ciclo de violência que assombrava sua família e que ele reproduzia com o filho.
Dois arcanjos então apareceram e lhe deram uma missão: libertar-se do materialismo, abandonar a carreira e dedicar-se à medicina espiritual, levando cura e conforto aos que sofrem de dependência, depressão, dores crônicas e câncer.
Quando despertou, Rajiv era um novo homem. Não foi fácil largar o status e a vida confortável que tinha, mas não havia outro caminho senão seguir aquele profundo chamado.
Compartilhando lições sobre o céu, o inferno, os anjos e a vida após a morte, esta emocionante história real nos faz compreender o que realmente importa aqui na Terra.
------------------------------------------------
E então, gostaram dos lançamentos do mês? Tem livro para todos os gostos, não?! 
Eu estou louca para ler alguns, especialmente Um menino em um milhão e Amanhã eu paro!

Aproveito este espaço para agradecer pelo ano de parceria com essas editoras super queridas, que desde março de 2016 tem nos apoiado e dado a oportunidade de conhecermos obras incríveis e assim indicarmos para vocês as histórias publicadas por elas. Em nome da equipe do Attraverso le Pagine, muito obrigada por tudo. Vocês são incríveis!!!

quinta-feira, 30 de março de 2017

Encontro de Livreiros (e blogueiros) das editoras Sextante e Arqueiro


Boa tarde queridos leitores e leitoras do meu Brasil!
Na última terça-feira, dia 28 de março, aconteceu o primeiro encontro com livreiros (e blogueiros) do ano organizado pelas editoras Sextante e Arqueiro aqui no Rio de Janeiro. Contando com a presença dos representantes das editoras, neste evento nos foram apresentados os lançamentos mais recente e alguns dos que serão lançados ao longo do primeiro semestre de 2017.

Da editora Arqueiro, os lançamentos que mais me chamaram a atenção foram Boneco de pano, um thriller policial (amo!) e romance de estreia do britânico Daniel Cole. Saiba mais sobre o livro clicando aquiAmanhã eu paro!, um romance aparentemente recheado de humor escrito pelo francês Giles Legardinier. Saiba mais clicando aqui; e finalmente Um menino em milhão, uma história mais carregada de emoção (que eu tenho certeza que vai me fazer chorar) de autoria da americana Monica Wood. Saiba mais clicando aqui.
(Essas capas ficaram lindas, não?! Especialmente a de Amanhã eu paro! - gatos )

Já da editora Sextante, interessei-me pelo livro Originais. do americano Adam Grant (Saiba mais sobre o livro clicando aqui) e pelo livro Cultura de excelência, livro do jornalista Daniel Cohen  que conta com prefácio dos autores de Sonhe Grande (Saiba mais sobre clicando aqui).
Além destes livros, falaram da continuação das séries que começaram a ser lançadas esse ano, como a trilogia A sina dos sete, da Nora Roberts, cujo primeiro livro, Irmãos de sangue, foi lançado neste mês (e em breve teremos resenha dele por aqui) e os dois outros livros serão lançados ainda este ano - o segundo volume, A Maldição de Hollow, está previsto para julho, enquanto que o terceiro, A Pedra Pagã, para novembro -, e a série Contos de fadas, da autora Eloisa James, uma série de livros de romance de época que recontam alguns dos contos de fadas mais conhecidos. Indicados pela diva dos romances de época Julia Quinn, o primeiro livro dessa nova série, Quando a Bela domou a Fera, foi lançado este mês (e eu já estou louca de vontade de ler esse livro, mesmo não sendo um gênero que eu costumo ler). Também teremos o lançamento de Origin (Origem, em tradução livre) em outubro, novo livro de Dan Brown que contará uma nova aventura do professor Robert Langdon. Do autor Ken Follet teremos mais dois lançamentos: O Vôo da Vespa, previsto para junho e A Column of Fire (Coluna de fogo, em tradução livre), para setembro. E o relançamento de Tudo e todas as coisas, da Nicola Yoon, está previsto para ser próximo da estreia do filme (que será em maio deste ano).

Da editora Sextante também foi falado dos futuros lançamentos A Luta Conta a Corrupção, de Deltan Dallagnol, 101 Atrações de TV que Sintonizaram o Brasil (mais um livro da "série" 101), os livros Senhora das águas e Senhora dos ares, relançamentos do Pedro Siqueira e a biografia do Maurício de Sousa, além do livro A vida secreta das árvores, do engenheiro florestal alemão Peter Wohlleben.

O evento foi encerrado com a palestra do Fernando Gabeira, que com bastante propriedade e com seu próprio conhecimento de causa, falou e respondeu a perguntas sobre o panorama político atual. E aproveitando a oportunidade, a editora Sextante lançará seu novo livro, Democracia Tropical, ainda este ano.
Todos os participantes do evento ganharam um kit das editoras contendo um lançamento de cada uma: O sol também é uma estrela, da Nicola Yoon, pela Arqueiro e A vida secreta das árvores pela editora Sextante, além de marcadores, bottons, calendário desse ano e uma linda ecobag, além do conto gratuito Uma em um milhão, que trás uma histórinha que antecede a do romance Um menino em milhão.
Assim que tiver lido estes livros e o conto falarei sobre eles ^-^



terça-feira, 28 de março de 2017

Resenha {Livro} A luva de cobre (Holly Black e Cassandra Clare)

Atenção! Esta resenha poderá conter spoilers do livro anterior. Leia por sua conta em risco ;)
Confira também a resenha de:
- Magisterium: O desafio de Ferro

Callum Hunt está de volta a sua casa para as férias após seu primeiro ano no Magisterium. Acompanhado de Devastação, seu lobo de estimação dominado pelo caos, Call sente que seu pai, antes sempre tão ligado ao menino, está cada vez mais distante, e seja por causa do lobo ou não, Alaistair não parece nada feliz com a volta eminente do filho ao colégio de magos.

“[...] Mas meu plano é necessário, Call. É por você, para seu próprio bem. Existem pessoas terríveis no mundo, e farão coisas com você. Elas irão usá-lo. Não posso permitir.”
(Holly Black e Cassandra Clare, p. 25)

Com um pai hostil e os recentes melhores amigos, Aaron e Tamara, distantes, Call não vê a hora de retornar à escola; e quando seu pai parece ter chegado ao extremo para impedir seu retorno ao Magisterium, o menino não vê alternativa senão ir imediatamente e por conta própria ao colégio.
Chegando lá para um novo ano como aprendiz de mago, Call e os amigos descobrem que um artefato mágico havia sido roubado: Alkahest, uma luva feita de cobre que se usada corretamente seria capaz de extrair a magia do caos de um mago que fosse capaz de manipular esse tipo de elemento, como seu amigo Aaron, o mais novo Makar de sua geração, que assim correria sério perigo.

“Composta por uma combinação de forças elementares, a manopla era uma arma criada para um propósito - extrair do Makar a habilidade de controlar o caos. Em vez de controlar o vazio, o Makar seria destruído pelo mesmo [...]”
(Holly Black e Cassandra Clare, p. 84)

E como se não bastasse, o principal suspeito do roubo do Alkahest é alguém bem próximo dos jovens aprendizes de magos, levando-os a uma missão altamente perigosa fora dos limites do Magisterium, onde terão de contar com suas habilidades com os elementos ar, terra, fogo, água, ar e caos, este ano mais desenvolvidos, e acompanhados de quem eles menos esperavam.

Comecei a leitura desse livro com certo receio de que não fosse como o esperado, haja vista as inúmeras opiniões negatives que li a respeito dele; mas por sorte me surpreendi positivamente.

Embora a trama pareça se desenvolver principalmente em torno do Alkahest, no decorrer da história percebe-se que não se trata somente disto. Mais da “mitologia” que abrange a magia na saga é revelado - os elementos e seres que a compõem -, e a personalidade dos magos, além dos aprendizes, vai sendo aos poucos mostrado, dando assim uma noção do que está por vir nos próximos volumes da série.

300 páginas | 1ª edição | 2015 | Galera Record




quinta-feira, 23 de março de 2017

Resenha {Livro} Aqui é o melhor Lugar (Cecelia Ahern)

Conheci Cecelia Ahern pelo livro Simplesmente acontece, e desde que o li, me apaixonei pela escrita da autora; quis logo ler outros livros dela, e qual não foi minha surpresa quando encontrei uma de suas obras bem baratinha (apenas R$2,00)?! Não pensei duas vezes e o comprei. Confesso que demorei bastante para ler (nem sei bem porque, mas enfim...) até que decidi selecioná-lo entre minhas leituras da Maratona Literária de Verão 2017 (saiba mais sobre a maratona clicando aqui). E no final das contas até me surpreendi com a leitura. Mas chega de enrolação e vamos à resenha

Em Aqui é o melhor lugar conhecemos Sandy Shortt, uma mulher que é obcecada por encontrar coisas e pessoas. Desde que uma colega de classe desaparecera quando ambas tinham 10 anos, Sandy realiza buscas incansáveis por tudo, seja uma pessoa ou um par de meia, fazendo disso seu “objetivo de vida” e chegando a entrar para a polícia, mais especificamente na divisão de busca de pessoas desaparecidas, quando terminou seus estudos e  mais tarde abrindo por conta própria uma agência de busca de desaparecidos.

“[...] Você não consegue encontrar algo, você sabe que está em algum lugar e que, mesmo que tenha procurado em todos os lugares, ainda assim não há sinal da coisa. Então você deixa de lado, culpa a si mesmo por tê-la perdido e finalmente esquece. Eu não conseguia agir assim.”
(Cecelia Ahern, pp. 19-20)

Aparentando estar realizada e gostando daquilo que faz, na verdade essa obsessão a deixa frustrada desde pequena ao não conseguir encontrar algo ou alguém, o que faz com que seus pais, preocupados com ela, decidirem leva-la a um psiquiatra para que assim ela possa aprender a lidar com isso.
Mais tarde ela acaba desenvolvendo uma boa relação com o dr. Burton, que não somente a ajuda a se entender mas também se mostra um verdadeiro amigo, com quem Sandy sente que pode realmente se abrir a tentar lidar com suas crises ao trabalhar em casos mais complicados, quando as buscas pela pessoa desaparecida parece impossível. E é nesse cenário que a própria Sandy acaba sumindo, desaparecendo como aqueles que ela procurava, vendo-se em um lugar completamente desconhecido e sem meios de se comunicar com alguém, enquanto ela estava numa de suas buscas.
Agora ela deverá tentar se encontrar antes de encontrar mais alguma coisa ou alguém, contando ainda com a ajuda de pessoas que ela menos esperava.

Com elementos sobrenaturais que vão sendo revelados de forma sutil e muito bom humor, Cecelia nos apresenta uma história sobre descobrir-se, amar-se e tentar aprender a lidar com suas inseguranças e obsessões.
Esse não é aquele livro que mudará a vida de quem o ler, não é profundo ou algo assim, mas nem por isso deixa de ser uma leitura prazerosa, então fica aqui minha dica de leitura ;)

“[...] – De qualquer maneira, não importa o quanto, com que frequência ou quão perto você olha as coisas, pois não temos controle sobre isso. Algumas coisas e algumas pessoas simplesmente se vão [...]”
(Cecelia Ahern, p. 305)

Rocco | 1ª edição | 381 páginas | 2009




quinta-feira, 16 de março de 2017

Resenha {Contos} A canção das estrelas (Karen Soarele)

Estamos de volta à Myríade, um mundo repleto de aventuras, perigo, surpresas e principalmente magia!
Neste livro, que reúne uma série de contos sobre este universo fantástico e uma história “principal”, conhecemos os jovens Sebastian e Neve.
Sebastian tem como principal objetivo desvendar o grande mistério que envolve o livro A canção das estrelas. Com seu exemplar já bem gasto do livro, do qual já decorou quase todas as histórias que este possui, Sebastian viaja pelo mundo de Myríade em busca de respostas ao mistério que ele acredita envolverem aquelas histórias, tendo assim de encarar verdadeiras aventuras para reaver seu tão amado exemplar do livro quando este lhe fora tirado.
E durante essas “aventuras”, Sebastian conhece Neve, uma jovem capaz de mudar sua forma humana para a de diversos animais e que, assim como Sebastian, também está em uma busca: descobrir mais sobre a vida e sobre o mundo que a cerca.

“Logo compreendeu que ela não queria ser seguida. Desejava tomar suas próprias decisões e, para tanto, precisava de espaço. Sebastian não se incomodou com isso, pois identificava-se com ela [...]”

Neve vive rodeada por aqueles que ama, sua família e demais membros de seu clã, que como ela são capazes também de mudarem de forma, porém somente para lobos. Ela e os demais vivem relativamente bem e em harmonia com a natureza; só que Neve quer mais: ela quer descobrir o que mais o mundo tem a lhe oferecer além daquilo que já conhece. E assim ela vai embora de seu lar a fim de realizar seus sonhos.
Ao topar com Sebastian, ambos acabam criando um vínculo de amizade, apesar do pouco tempo que tenham passado juntos, e um jamais se esquecerá do outro quando seus caminhos inevitavelmente vierem a se separar.

Alternando entre os dois pontos de vista (ora de Sebastian, ora de Neve) e ao final sendo complementado por diversas histórias curtas sobre o mundo de Myríade, A canção das estrelas é o segundo spin-off da série Crônicas de Myríade, da nossa escritora parceira Karen Soarele, que nos presenteou com esta magnífica obra sobre seu universo fantástico repleto de mistérios, aventuras, surpresas e muita magia.
Este é o segundo livro da autora que eu li (o primeiro foi A rainha da primavera) e mais uma vez  fiquei fascinada com a escrita dela, o modo como a Karen deu vida a seus personagens e a todo o mundo de Myríade, um universo fantástico rico e com muito potencial a ser explorado.

Agora estou ainda mais ansiosa para ler os volumes um e dois da série (Línguas de fogo e Tempestade de areia), que farei assim que possível.
Deixo então aqui minha indicação de leitura a todos aqueles que gostam de uma boa história de aventura e fantasia ;)

156 páginas | 1ª edição | 2014 | Cubo Mágico
Compre o livro na Amazon clicando aqui