terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Resenha {Livro} - Três Coisas Sobre Você (Julie Buxbaum)

Sinopse: Setecentos e trinta e três dias depois da morte da minha mãe, 45 dias após o meu pai fugir para se encontrar com uma estranha que ele conheceu pela internet, 30 dias depois de a gente se mudar para a Califórnia e apenas sete dias após começar o primeiro ano do ensino médio numa escola nova onde conheço aproximadamente ninguém, chega um e-mail. Deveria ser no mínimo esquisito, uma mensagem anônima aparecer do nada na minha caixa de entrada, assinada com o bizarro nome Alguém Ninguém. Só que nos últimos tempos a minha vida tem estado tão irreconhecível que nada mais parece chocante.
Livro cedido em parceria com a editora Arqueiro para resenha ♡

Primeiramente, eu não gostei desse livro, pode até ter havido alguma parte que achei “legal”, mas no fim percebi que vi tantas coisas erradas (a meu ver) que não consegui ver potencial nele, o que foi bem decepcionante porque há tantas resenhas positivas sobre o livro que fiquei me perguntando se estava sendo crítica demais, e se tinha algo de errado comigo, já que até a editora duvidou se alguém não iria gostar do livro em sua divulgação.
A leitura foi bastante fluida, o que me fez perceber mais uma vez que nem sempre isso é sinônimo de bom livro, coisa que percebi pela primeira vez em Belo Desastre, e eu gastei tantos post-its marcando as páginas que quando acabou, tive que fazer orelhas nas folhas.
Eu li cada página pensando “ai meu Deus, o que estou lendo? Olha essa fala preciso marcar ela, porque não consigo crer no que estou lendo” e foram tantas, mas TANTAS vezes que isso acontecia que eu gostaria muito de citar cada uma delas e discutir o que vi de errado, mas para isso seria que ser quase que o livro todo e isso seria uma resenha enorme e provavelmente dividida em duas partes, então vou falar o que mais me chamou atenção.

Começando pelo fato assustador de um estranho querendo saber da sua vida e que ainda diz que é da sua escola e que a autora estava querendo demonstrar como muito fofo, e o AN nem ao menos provou que não estava mentido, isso pode trazer tantas coisas ruins para alguém da vida real, já se é difícil confiar em alguém que você conhece. Eu tenho amigos virtuais, e foi preciso muitas situações para ter confiança e uma dela é com certeza você ver a FACE da pessoa.

A autora colocou ódio disfarçado de feminismo, sendo que esta lá no lindo dicionário que todo mundo deveria usar sempre, que o movimento não é sobre ódio, mas sim IGUALDADE; mesmo que passem a imagem errada do mesmo, é isso o que quer dizer, e não o que está no livro: amiga falando mal do corpo da outra, entre outras coisas do tipo rivalidade entre a popular do colégio e a novata, as duas só trocando ofensas, e com isso colocando os personagens masculinos sendo os mais legais e com defeito nenhum. A vida real não é assim, TODOS temos defeitos.
Tem um personagem gay, o que é maravilhoso, se ele não fosse um estereótipo ambulante e muito chato e sem educação.

Foi um sentimento diferente, e acho que dá para perceber pela resenha, já que até o momento não havia feito nenhuma leitura que tenha me deixado com alguma coisa parecida; porém acho sempre super válido que cada um leia e tire suas próprias percepções do livro, e quando fizer isto, me conte o que achou e se concordou comigo. 

288 páginas | 1ª edição | 2016 | Arqueiro


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Resenha {Conto} Felicidade invisível (Lari Azevedo)

E-book cedido em parceria com a autora para resenha 


Em Felicidade invisível, conto introdutório da nova série de fantasia da escritora Lari Azevedo (nova parceira do blog), Os guardiões de Crainn Chiara, somos apresentados à Maeve MacCleury, a caçula de sua família de guardiões da felicidade, que são responsáveis por armazenar momentos de felicidade das pessoas em globos de vidro, carinhosamente apelidados de Felis, que serão colocados nos galhos de um pinheiro da família na meia-noite de Natal.

“[...] Somos descendentes de uma gigantesca e antiga família tradicional irlandesa. Sou a quinquagésima geração de “guardiões da Felicidade”, ou como nossos ancestrais a chamavam, “Crainn Chiara”, o nome que os Deuses deram para a árvore da Felicidade.” (Lari Azevedo)

Enquanto procurava alguém de quem pudesse “coletar” um momento de felicidade, Maeve conhece Henrique (Rique), um jovem formado em Engenharia Civil e apaixonado pela dança, que é como Maeve o encontra, observando-o num de seus ensaios para uma apresentação que se aproximava. E num momento de descuido, Maeve se deixa ser vista pelo rapaz, que logo se encanta por ela, sem saber quem ela realmente é.

“Nossos problemas nos fortalecem e nos fazem pessoas melhores.” (Lari Azevedo)

Com Rique, Maeve conhece o que o amor é capaz de proporcionar, apaixonando-se pelo rapaz da mesma forma que ele se apaixona por ela, além de conhecer como a felicidade pode surgir de momentos que ela menos espera.
Entretanto nem somente de romance a história de Maeve é permeada. Levando em conta que a humanidade já não é mais a mesma, cujos momentos de felicidade estão cada vez mais escassos, a jovem se vê repentinamente envolvida num mistério que a envolverá, bem como a seu amado, em prol de um bem maior.

Felicidade invisível termina com aquele gostinho de quero mais, nos dando uma noção de como será o tom da história que virá a seguir (aguardo agora ansiosamente pelas próximas histórias de Maeve e cia.). Com suas frases inspiradoras e referências musicais maravilhosas no início de cada capítulo (tem até Celtic Woman <3), o conto encanta das primeiras palavras ao final!


Leitura recomendadíssima a todos os amantes de histórias fantásticas e com toques de romance ;)

56 páginas | 1ª edição | 2016 | Compre o eBook na Amazon clicando aqui.



sábado, 18 de fevereiro de 2017

Resenha {Livro} O desafio de ferro (Holly Black e Cassandra Clare)

Este é mais um daqueles livros que eu me pergunto porque cargas d’águas demorei tanto pra ler. Comprei-o em 2014 depois de vê-lo na Bienal do Livro de São Paulo daquele ano, fiquei super empolgada pra ler mas enrolei como se não houvesse amanhã :S Porém este ano, e após ver mais uma publicação elogiando a saga, resolvi pegar logo pra ler e não me arrependi!
Bem, divagações a parte, vamos à resenha.
Em O desafio de ferro, primeiro livro da série Magisterium, conhecemos Callum (Call) Hunt, um jovem fora dos padrões, rejeitados pelos colegas na escola, e filho do mago (que não “atua” mais como tal) Alastair Hunt.
Desde que se entende por gente, Call sabe que é filho de magos, que sua mãe morrera por causa da magia e ele ficara com uma perna defeituosa na mesma ocasião, e que portanto seu pai odeia os magos e tudo relacionado a eles, passando este sentimento para o filho.

“[...] E foi por causa da magia que ela morreu. Quando os magos entram em guerra, o que acontece com frequência, eles não se importam se as pessoas morrem. E essa é outra razão pela qual você não deve chamar a atenção deles.”
(Holly Black e Cassandra Clare, p. 22)

Ao completar 12 anos, Call deverá participar do “desafio de ferro”, uma série de testes que provarão se ele - como outros jovens da mesma idade - está apto ou não a entrar para o Magisterium, uma escola cujo objetivo é ensinar a seus alunos a controlarem seus poderes mágicos, tornando-se mais tarde exímios magos. Porém Call não está nem um pouco empolgado com o teste, já que sabe que não deverá passar na admissão da escola, fazendo assim de tudo para falhar.
Após terminarem as provas, e tendo a certeza que não passara em nenhuma, Call está preparado para voltar para junto de seu pai e para casa; mas quando ele menos espera, um dos magos, o mestre Rufus, que estava selecionando como seus aprendizes aqueles que obtiveram melhores resultados nos testes também chama pelo nome de Call, deixando o menino surpreso, empolgado e ao mesmo tempo apreensivo, pois sabia que não poderia entrar para a escola em hipótese alguma! Sem ter o que fazer, Call então parte rumo a escola acompanhado dos novos aprendizes, entre eles os outros escolhidos de Rufus, Aaron e Tamara.
Chegando ao Magisterium, Call, embora ainda relutante, em fazer parte daquele mundo, não deixa de ficar admirado com o que vê, a cada dia gostando mais de aprender sobre a magia, como ela funciona, os seres e elementos que a regem e como controlar seus poderes, mostrando-se cada vez mais competente apesar de suas limitações físicas, além de ter por perto Aaron e Tamara, estes sempre a seu lado e provando serem verdadeiros amigos dele - algo que Call nunca imaginou que lhe aconteceria. Entretanto, apesar da aparente alegria do menino, ele esconde ainda o receio de seu pai não estar gostando da sua permanecia no Magisterium.
Perigos e surpresas aguardam Call e cia. nesta história repleta de ação e magia, onde as habilidades dos jovens aprendizes de magos serão colocadas constantemente à prova.

“[...] O fogo quer queimar. A água quer fluir. O ar quer se erguer. A terra quer unir. O caos quer devorar.”
(Holly Black e Cassandra Clare, p. 81)

Holly Black e Cassandra Clare criaram uma história que tem tudo para dar certo (e eu só espero que elas não se percam no meio do caminho...), com uma “mitologia” própria sobre a magia e o que a compõe (adorei elas abordarem os elementos água, terra e afins), bem como os personagens com suas personalidades bem definidas e próximas do real (apesar do conteúdo fantástico), que poderiam ser nós mesmos ou nossos amigos e inimigos.
Quanto às semelhanças com a série Harry Potter (que já vi serem sempre comentadas), não vi muitas, talvez uma ou outra seja mais relevante (porém como só aparecem no final não comentarei aqui senão será spoiler).

Deixo aqui então minha indicação de leitura àqueles que procuram uma nova série de aventura e fantasia ;)

381 páginas | 1ª edição | 2013 | #Irado (Novo Conceito)




quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

{Universo Nerd} Turma da Mônica Jovem - Ed. 01 (Maurício de Sousa)

“Juro solenemente não fazer nada de bom.”

Desde que me conheço por gente, sou fã dos quadrinhos do Mauricio de Sousa, principalmente da Turma da Mônica. Como a maioria dos hoje adultos, cresci lendo (e pintando) esses gibis. Foi com grande felicidade que recebi a notícia de que a turma do Mauricio havia crescido e seria publicado mensalmente em forma de mangá. Não poderia ter sido melhor a combinação: Turma da Mônica Jovem + Mangá = Muito Amor.
Como sou uma pessoa que escolheu a profissão errada, que não me dará dinheiro nunca, não pude colecionar. Mas minha irmã tem desde a edição zero. Logo, sempre acompanhei. Recentemente, os Estúdios Mauricio de Sousa anunciaram que suas publicações iriam zerar quando chegassem ao número 100, facilitando a vida dos colecionadores. E com Turma da Mônica Jovem não foi diferente.
Para começar, o que mais chama atenção são os traços. Nem precisa de muitas palavras para descrever a diferença entre as edições um, de agosto de 2008 (à esquerda) e a um de janeiro desse ano (à direita):
Se na edição de 2008, eles já haviam crescido, na última percebe-se que estão quase adultos, com problemas de adultos.
Depois de anos de enrolação, de brigas, de idas e vindas, Mônica e Cebola voltaram a namorar, para a tristeza de quem “shippava” Mônica e DC - confesso que fiquei chateada, mas gosto dos dois. Está tudo lindo e maravilhoso quando Cebola recebe uma carta com uma notícia que o deixa triste e sem saber como agir, chegando a pedir conselho ao Cascão. Diante da situação, Cê decide proporcionar à sua namorada e a ele mesmo uma semana inesquecível, cada dia preparando uma surpresa para a menina, sempre com a ajuda dos amigos. E a história termina deixando o leitor triste e feliz, ao mesmo tempo.

A contra capa que você mais respeita

Muito amor numa página só!

Esse mangá foi mais calmo, mas muito lindo e romântico. Inclusive me deu várias ideias para tentar colocar em prática. E os traços e as cores estão espetaculares.
Eu gostava muito da Mônica e do DC, mas estou amando mais ainda a Mônica e o Cebola.

“Malfeito feito.”









Dados da revista: Turma da Mônica Jovem Nova Coleção N°1: ...te amo para sempre!
Panini. 130 páginas. Janeiro de 2017.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Resenha {Livro} Carrie, a estranha (Stephen King)

Meu primeiro contato com Carrie foi através do filme lançado em 2002, segunda adaptação cinematográfica do livro homônimo de King, e desde que o vi (há uns dois ou três anos) tinha vontade de ler o livro; e este ano finalmente consegui ler e não me decepcionei.
Alternando entre a narrativa da protagonista, Carrie, no passado, e diversas entrevistas e partes de livros e estudos sobre o incidente envolvendo a jovem, já no presente, conhecemos Carietta (Carrie) White, uma jovem que sofre com a opressão de uma mãe fanática religiosa e o bulliyng excessivo de seus colegas de escola - e até a negligência do corpo docente.
Prestes a terminar seus estudos, Carrie sofre mais um “ataque” de suas colegas na escola ao ficar menstruada pela primeira vez e sem saber que isso acontecia com as mulheres, já que sua mãe nunca lhe contou sobre o assunto, sendo então alvo de piadas mais uma vez; e estando sobre grande pressão, demonstra uma pequena parte de seu poder - telecinesi - antes de voltar para casa.

“Sua mente tinha... tinha... ela procurou uma palavra. Tinha dobrado. Houve uma curiosa flexão mental, quase um cotovelo puxando um haltere [...]”
(Stephen King, p. 33)

Enquanto isso, uma das meninas que caçoou de Carrie, Sue Snell, sente que fez algo muito errado e tenta então se redimir com a garota, pedindo assim ao namorado, Tommy, que leve Carrie ao baile da Primavera no lugar dela, para que dessa forma a garota possa ter ao menos um momento de felicidade antes de terminar a escola. Entretanto, seu plano de ajudar Carrie está prestes a ter um imprevisto quando Chris Hargensen, outra menina que caçoou de Carrie no fatídico dia, resolve pregar uma peça no dia do baile que deixará Carrie ainda mais abalada.
Assim, somando o bullying constate a seus poderes telecinéticos cada vez maiores, o baile da escola de Carrie e cia. jamais será esquecido por toda a cidade.

Se já achava o filme perturbador, o livro não poderia ser diferente. A mãe da Carrie é tão irritante quanto no filme (se não for mais!) e praticamente todos da escola dela, de alunos a professores, são completos babacas! Senti muita raiva do que todos faziam com ela enquanto lia (e talvez por isso a leitura tenha demorado a ter um bom ritmo no começo), e também pena da Carrie.
O final, como no filme, foi arrasador para todos, e poderia ter sido evitado se não agissem daquela forma com ela.
No mais, é um bom livro, voltado mais para o suspense do que o terror (que eu imaginei que fosse, a princípio) e uma leitura que eu super recomento, seja você fã do mestre King ou não ;)

199 páginas | 1ª edição | 2013 | Objetiva




sábado, 11 de fevereiro de 2017

{Notizie} - Parceria com o autor Delson Neto

Boa tarde queridos leitores e leitoras do meu Brasil!!!
O post de hoje é para anunciar o mais novo parceiro do Attarverso le Pagine: Delson Neto, autor da série Os Guerreiros de Alquemena, cujo primeiro livro, A Jornada de Lorenai, foi recentemente lançado pela editora Arwen.
Vamos então conhecer um pouco mais sobre o autor e suas obras.

Biografia do autor: Delson Neto é um escritor, professor e também estudante de Artes Visuais pela Faculdade de Artes do Paraná. Sua paixão por literatura e outras áreas da arte sempre esteve presente devido a presença e estímulo de sua mãe desde a infância. No ano de 2012 iniciou a graduação em Letras com ênfase em Português na Universidade Federal do Paraná, porém, não acreditou no curso como uma real fonte de inspiração, começando assim a graduação em Licenciatura em Artes Visuais no ano de 2013. Durante 2014, após engavetar diversos projetos literários, iniciou e concluiu em três meses aquele que viria a ser o seu primeiro livro. Em 2016 assinou contrato com a Editora Arwen, pela qual lançará então o seu primogênito livro de fantasia – Os Guerreiros de Alquemena: A Jornada de Lorenai que serve de prelúdio para a saga de mais seis volumes previstos, tal história teve seu cenário criado aos 8 anos pelo autor e desde então cresceu junto a ele.
Amante da literatura infanto-juvenil mundial e do gênero de fantasia, Delson acredita no potencial dos autores nacionais e na força da escrita como uma geradora de mudanças. Costuma criar os seus universos para “enxergar a luz em meio às trevas”, transformando-os numa válvula de escape da realidade.


Sinopse: Uma jornada de autoconhecimento e descobertas. 
Prestes a completar 16 Ciclos, a jovem princesa – órfã de pai e mãe – Lorenai, vê-se com a incrível missão de descobrir a verdade 
sobre o desaparecimento de sua mãe, a rainha Alquemena Una, e de aprender a combater o mal que assola seu mundo.
Em suas andanças pelo reino, receberá a ajuda de dois jovens e destemidos guerreiros. Talvez não tão guerreiros, ou destemidos.
Descubra junto com Lorenai as belezas e encantos de Asgaha e embarque nessa jornada rumo ao desconhecido.
Fantasia | 523 páginas| 2016
- Adicione o livro no Skoob 
- Curta a fanpage da série no Facebook
- Siga a Rainha Alquemena Lorenai, personagem da saga de fantasia Os Guerreiros de Alquemena, no Instagram
- Compre o livro na Arwen Store

Conheça também A Bolsa de Contos de Naví, antologia do universo da saga de fantasia Os Guerreiros de Alquemena:
Há um crepitar de uma fogueira ao longe que te seduz, te instiga.
Você se aproxima e entra na roda de histórias em que um misterioso fauno sopra seu fumo, dando forma aos contos de uma terra criada a partir de estrelas, onde seres confraternizam as nuances de suas existências. 
Sente-se, pegue um chá. A madrugada será longa e encantadora.

- Leia no Wattpad




Conheça Shura, novo livro de Delson Neto: Nova Avalon é uma cidade consumida pela tecnologia e as malícias da mente humana. Em meio a um cenário futurista, Shura Lee Johson procura maneiras de sentir-se viva e dedica-se de corpo e alma ao seu trabalho em um departamento secreto da polícia federal. Entre uma Simulação e um shot de tequila, Shura desvenda não só os avatares psicológicos dos criminosos apontados pelo Sistema, como também revela a sua própria melancolia.
Abra a sua mente para as possibilidades - pois nada é real!

'SHURA' agora é o mais novo título da Editora Sekhmet.
- Curta a Fanpage e fique por dentro das novidades sobre o livro.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Resenha {Livro} - Todo dia (David Levithan)

“Juro solenemente não fazer nada de bom.”

Havia tempos que queria ler a obra Todo Dia, de David Levithan. A capa, confesso, foi o que mais me chamou atenção até ler a sinopse. 
“A acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.”

Com um enredo desses, dá vontade de ler, não é mesmo? Então, fui e li. E me decepcionei.  
David Levithan tem uma mente incrível ao escrever sobre uma pessoa que todo dia é “diferente”. Assim, ele trata de temas como a questão de gênero, mostrando ao leitor que o importante é Amar e o que somos por dentro, não por fora. O corpo não é mais do que uma capa, uma roupa e A encarna isso literalmente. E foi onde o livro me fazia pensar e analisar. 
Nós não temos, na maior parte das vezes, a ideia do que é ser outras pessoas, do que outras pessoas passam e vivem, só olhando para nosso próprio umbigo. A sabe e valoriza esse dom que, ao mesmo tempo, é uma maldição no sentido de que ele não tem raízes: têm vários pais e mães, amigos, histórias diversas, felizes e tristes. Vários amores e nenhum, ao mesmo tempo. 
Frase do livro

Esta obra é encantadora no ponto que mostra a diversidade da Vida. Mas acaba sendo estragada pela história de Rhiannon e A, parada e melosa demais, cansando. Há também a expectativa no leitor de saber o motivo e a razão por A conseguir ser uma pessoa diferente todo dia, principalmente depois que descobrimos que não é o único com esse dom - ou maldição -, mas esta não é suprida. Eis minha frustração. 
Frase: “Mas o problema em gritar por ajuda é que alguém mais tem que estar por perto para ouvir.” 

“Malfeito feito.”

280 páginas | 1ª edição | 2013 | Galera Record



terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Resenha {Livro} Anexos (Rainbow Rowell)

Anexos é a quarta história da Rainbow Rowell que eu leio (e o segundo romance) e ainda posso afirmar que não tem como não se encantar por suas narrativas e seus personagens.
Neste livro conhecemos Beth e Jennifer, duas amigas que trabalham no mesmo jornal, The Courier, e não param de se comunicar por meio de mensagens de e-mail - na era “pré-whatsapp” - enquanto trabalham. Em meio a conversas dos mais variados assuntos, de gravidez a novos filmes, Jennifer e Beth sabem que estão sendo monitoradas por alguém; só que elas mal podem imaginar quem seja este alguém: o novo funcionário de segurança na Internet, Lincoln.
Lincoln, por sua vez, não está nada confortável em ler os e-mails de outras pessoas, pois acha tudo muito invasivo. Até que começa a ler as mensagens que as duas amigas trocam, que estão sempre parando nos filtros de segurança pelas palavras que as duas usam - uma vez que elas não ligam muito para o fato de estarem sendo monitoradas online -, rapidamente criando um vínculo bastante inusitado com elas, como se as conhecesse pessoalmente e as tivesse como amigas.

“Além disso... Bem, ele meio que gostava de Beth e Jennifer, tanto quanto se pode gostar de uma pessoa lendo alguns de seus e-mails.”
(Rainbow Rowell, p. 26)

O que não deixava de ser verdade em parte, já que as duas falavam sobre tudo (tudo mesmo!) sobre a vida delas - momentos alegres, mas também os tristes, suas conquistas, suas perdas, seus medos e suas inseguranças -, fazendo com que ele se sinta cada vez mais “conectado” com elas. E nisso ele acaba se apaixonando por Beth, a crítica de cinema do jornal sempre engraçada e uma boa amiga, mesmo sem tê-la visto uma única vez (ele se apaixona por suas palavras; tem coisa mais romântica?!), ficando assim em meio a um dilema, sem saber o que fazer para se aproximar das duas.


Afinal, o que ele pode dizer a elas que não as assuste? Que andou lendo as conversas das duas e assim se sentiu como se fossem suas amigas? Que se apaixonou por Beth - mesmo sabendo que ela tem um namorado! - e acha engraçado Jennifer ter pavor de ter um filho? Como ele poderá se aproximar delas sem parecer alguém bem esquisito que lê suas mensagens mais pessoas e até mesmo íntimas?

Narrado pelos três (Beth, Jennifer e Lincoln), ora através dos e-mail das amigas, ora pelo Lincoln - seja pensando nelas e no que elas escreveram ou contando um pouco de sua vida, seu passado e o que fez para chegar até aquele ponto de sua vida -, conhecemos então muito da vida dos três (da mesma forma que Lincoln acaba conhecendo as duas), que se mostram personagens bastante palpáveis, que poderiam amigos, parentes ou até nós mesmos. 
Em resumo, é um livro fofo, romântico e engraçado na medida certa. Do jeito que Rainbow Rowell faz com primor em todas as histórias que cria.

366 páginas | 1ª edição | 2014 | Novo Século




sábado, 4 de fevereiro de 2017

{Lançamentos} - Editora Arqueiro e Editora Sextante (Fevereiro de 2017)

Fevereiro chegou trazendo muitas novidades das nossas editoras parceiras Arqueiro e Sextante. De relançamentos a continuação das nossas sagas favoritas - e uma nova saga que já comentamos aqui -, tem muita coisa boa vindo aí. Vamos lá?
A cabana (William P. Young)
Relançamento com nova capa | 248 páginas
Sinopse: Durante uma viagem de fim de semana, a filha mais nova de Mack Allen Phillips é raptada e evidências de que ela foi brutalmente assassinada são encontradas numa velha cabana.
Após quatro anos vivendo numa tristeza profunda causada pela culpa e pela saudade da menina, Mack recebe um estranho bilhete, aparentemente escrito por Deus, convidando-o a voltar à cabana onde acontecera a tragédia. Apesar de desconfiado, ele vai ao cenário de seu mais terrível pesadelo. Mas o que ele encontra lá muda o seu destino para sempre.
Em um mundo cruel e injusto, A cabana levanta um questionamento atemporal: se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar nosso sofrimento?
As respostas que Mack encontra vão surpreender você e podem transformar sua vida de maneira tão profunda quanto transformaram a dele.

Diário de uma paixão (Nicholas Sparks)
Lançamento: 08/02 | 176 páginas
Sinopse: Em outubro de 1946, dois jovens, Noah Calhoun e Allison Nelson, se conhecem e se apaixonam perdidamente. Tudo parece perfeito, até que a família de Allie a impede de continuar a vê-lo devido a enorme diferença de classe social entre os jovens.
Allie e Noah lutam para levar uma vida normal, mesmo estando distantes. Até que um artigo de jornal muda tudo e reacende um amor há 14 anos adormecido.
O livro é o retrato de uma relação rara e bela, que resistiu ao teste do tempo e das circunstâncias.

A promessa (Harlan Coben)
Lançamento: 08/02 | 352 páginas
Sinopse: Às 2 da manhã, uma garota jovem, perdida e assustada, liga para o único adulto que prometera ajudá-la se algum dia ela se metesse em encrenca: Myron Bolitar. Mas a ajuda dele não é o suficiente. Ele a apanha numa esquina e, mesmo achando que é uma péssima ideia, concorda em deixá-la em um endereço desconhecido. Myron se arrependerá para sempre dessa decisão, porque o aceno de Aimee Biel, dirigido a ele, é a última vez que ela será vista por alguém…
Atormentado pela culpa e pelo desespero da família da Aimee, Myron decide quebrar sua promessa feita seis anos antes e se envolve nas buscas. Mas o passado não será enterrado tão facilmente… e Myron precisa decidir de uma vez por todas aquilo que irá defender, caso queira manter alguma esperança de salvar Aimee… e a si mesmo.
Outlander - A cruz de fogo: Livro 5, parte 1 (Diana Gabaldon)
720 páginas
Sinopse: No ano de 1771, a guerra na Escócia se aproxima. Por mais que Jamie se revolte com a verdade, ele precisa acreditar em sua esposa, que tem, ao
mesmo tempo, uma vantagem estratégica e uma terrível profecia em seu papel como viajante do tempo.
Quanto a Claire, agora cirurgiã, mãe e esposa, ela continua se sentindo uma forasteira, longe de sua terra e de seu tempo. Mas agora, por escolha própria, ela está ligada por amor à sua única âncora – Jamie Fraser. A visão privilegiada que Claire tem do futuro já trouxe perigo e libertação para Jamie no passado, e seu conhecimento sobre a revolução que se aproxima é uma tocha que pode iluminar o caminho de Jamie pela escuridão, ou terminar por atear fogo a tudo o que ele conhece, deixando para trás apenas cinzas...

A rainha das trevas (Anne Bishop)
Outros livros da série: A filha de sangue A herdeira das sombras
Lançamento: 08/02 | 352 páginas
Sinopse: Jaenelle Angelline finalmente sobe ao governo, como rainha e protetora do Reino das Sombras. Assim chegam ao fim os anos de terror em que os corruptos membros do Sangue chacinavam seu povo e profanavam sua terra. Porém, enquanto este capítulo se encerra, uma batalha invisível ainda está por ser escrita, e Jaenelle precisa libertar seu grande e terrível poder ancestral para destruir seus inimigos de uma vez por todas.
Apesar de seu grande poder, ela não poderá seguir sozinha. Em algum lugar, perdido na própria loucura, seu consorte prometido a aguarda. A posição de Jaenelle na corte e a segurança de seu reino só serão solidificados com o amor verdadeiro de Daemon. Mesmo unindo forças, só o destino dirá se eles conseguirão conter o avanço da mais sombria das forças...

Meu jeito certo de fazer tudo errado (Klara Castanho e Luiza Trigo)
Lançamento: 08/02 | 384 páginas
Sinopse: Giovanna – ou Nanna, como ela prefere – acaba de se mudar de Campinas para São Paulo com os pais, já que a agência de modelos deles está
em franca expansão. Apesar de sonhar em morar na capital, não era bem naquele momento, no início do ensino médio, que ela planejava que isso acontecesse.
Forçada a abandonar o conforto do conhecido para conquistar um mundo novo e hostil, ela tenta se habituar à nova vida. Logo faz amizades na escola, e acaba se interessando por Miguel, um garoto que faz parte do grupo dos populares. Nanna passa a conviver com pessoas diferentes dela, que a tratam bem mas fazem coisas que ela não aprova, como fumar, beber, mentir para os pais e matar aula.
Ao mesmo tempo, durante os passeios diários com seu cachorro, Nanna conhece Henrique, um vizinho todo certinho que aos poucos passa a ser seu confidente.
Ela se vê, então, em situações novas e complicadas, precisando decidir entre fazer o que acha certo e errado para ter autonomia de agir como quer, apesar do controle dos pais, conseguir o afeto e o convívio dos amigos, e optar para que lado deve ir seu coração.
Quarteto Smythe-Smith (Julia Quinn)
Livros da série: Simplesmente o paraíso, Uma noite como esta, A soma de todos os beijos e Os mistérios de sir Richard
Lançamento: 08/02 (Lançamentos simultâneos)
* Disponível também em box contendo os quatro livro e brindes exclusivos.
Sinopse: Os Bridgertons conhecem as Smythe-Smiths. E você?
Há quase vinte anos o sobrenome Smythe-Smith é sinônimo de música desafinada. Ainda assim – talvez por pena, talvez por surdez – a sociedade londrina continua a se reunir anualmente para assistir ao catastrófico concerto das jovens solteiras da família.
Pelo seu palco passam as histórias mais cativantes e os casais mais apaixonantes. Honoria e Marcus se reencontram e reavivam sua amizade, que pode ter um quê a mais. Anne e Daniel sentem uma atração irresistível e precisam lidar com um perigo mortal – e com uma garotinha que ama unicórnios. Sarah e Hugh são assombrados por um evento do passado, mas não a ponto de não poderem trocar (muitos) beijos. Já Iris e sir Richard... bom, Iris não tem a mais pálida ideia do que o levou a pedi-la em casamento – ele só pode estar escondendo um segredo.
Não perca este magistral quarteto, digno de muitos aplausos!
A dieta espiritual (Allan Percy)
208 páginas
A dieta espiritual é um guia prático para nos ajudar a eliminar os hábitos e comportamentos que roubam a leveza do dia a dia. Neste livro, Allan Percy apresenta as 24 causas mais comuns da infelicidade humana e mostra como nos livrar delas, uma a uma, semanalmente.
Do estresse ao rancor, do medo à impaciência, do perfeccionismo à hostilidade, cada capítulo aborda um tema, a partir de um exemplo simples do cotidiano. Em seguida, os melhores “nutricionistas espirituais” de cada assunto mostram como aquele comportamento afeta nossa saúde, nossa alegria e nosso bem-estar.
Organizado como uma dieta com metas semanais, este livro tem como missão reduzir as medidas da infelicidade e da angústia, sentimentos que se instalam quando perpetuamos hábitos emocionalmente nocivos.

A cabana: guia de estudos (William P. Young e Brad Robison)
192 páginas
Trauma, doença e morte são fenômenos universais; infelizmente, em algum momento da vida, todos nós enfrentaremos o desafio de encontrar respostas para uma dor avassaladora.
Escrito em parceria com um psiquiatra e terapeuta de família, esse livro seleciona trechos do best-seller A cabana e, a partir dele, promove reflexões para ajudar quem está passando pelo árduo e doloroso processo de se recuperar de um trauma.
Como na obra de ficção de William Paul Young, a meta é aproximar o leitor da presença amorosa da divina trindade para promover a cura verdadeira e sustentável de experiências de profunda dor.

Escolha sua vida (Paula Abreu)
Relançamento com nova capa | 144 páginas
T odos os dias, a vida nos dá uma nova chance de recomeçar. Mas em geral o medo, a insegurança e a falta de tempo nos impedem de aproveitar essa oportunidade.
Ao ler este livro, você vai descobrir como se abrir para essas mudanças, sair da inércia e começar a viver a vida segundo as suas próprias regras. Isso significa reafirmar seus valores, abandonar crenças limitadoras, definir sua noção de felicidade e ir à luta.
Não espere mais. Mude – mesmo que ainda não se sinta pronto. O importante é dar o primeiro passo. Escolha sua vida traz exercícios práticos e diversas reflexões para ajudar você a iniciar essa jornada.

---------------------------------------------------

E então pessoal, o que acharam dos lançamentos deste mês? Estou super ansiosa pelo novo livro do Harlan Coben, que finalmente será lançado pela Arqueiro (ele já tinha sido lançado em pela editora Arx em 2008 e era simplesmente impossível de encontrar exemplares para comprar a um preço acessível :S) e poderemos enfim ler a oitava história de Myron Bolitar <3 Também estou empolgada pelo lançamento do novo livro da série Outlander, que pretendo retomar a leitura ainda esse ano *-* E fiquei curiosa pela nova série da Julia Quinn (só ouço elogios quando o assunto são as obras da autora).
Ah, e não poderia deixar de comentar sobre a nova capa de A cabana, uma das poucas edições com "capa de filme" que gostei logo de cara!

E vocês, qual (ou quais) livros estão mais ansiosos para ler? Deixem nos comentários ;)

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Resenha {Livro} - Meu coração e outros buracos negros (Jasmine Warga)

Olá, pessoal.
Vamos falar hoje sobre o livro Meu Coração e Outros Buracos Negros, um livro que fala sobre depressão, um tema difícil de ser tratado e que foi maravilhosamente explorado pela autora.
Ele nos conta a história de dois personagens, a Aysel e o Roman. Os dois desejam se suicidar e as razões, bem, vou deixar para que vocês descubram.

Aysel é uma menina que morava com o pai e que depois de algo muito errado cometido por ele, o mesmo foi preso e Aysel foi morar com a mãe, o padrasto e os irmãos. Por causa do que o pai fez, Aysel se sente perseguida pelas pessoas da sua cidade e isso acaba afastando ela de tudo e todos, além dela também não gostar nenhum pouco de onde trabalha. Juntando tudo isso, ela acaba se sentindo triste e resolvendo se suicidar.
Com a decisão tomada, Aysel busca em um site específico um parceiro de suicídio e encontra Roman, que usa o codinome de RobôCongelado.
Já Roman vive com os pais, e a história por traz da tristeza dele é algo realmente perturbador.

Os dois marcam de se encontrar e Romam conta a Aysel o dia e local para que juntos possam se suicidar.
Assim, com todo esse sofrimento e unidos pela vontade de acabar com a tristeza que vivem os dois se aproximam mais e mais.
Muitas turbulências e sustos te aguardam neste livro, que consegue misturar bem todos esses sentimentos, sejam eles bons ou ruins.

Acredito que o final poderia ter sido mais esclarecedor, porém é um livro para ser lido com muitos post-its para marcar, pois é muito fofo, triste e cheio de frases inteligentes.

312 páginas | 1ª edição | 2016 | Rocco