quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Resenha {Livro} Amanhã eu paro! (Gilles Legardinier)

Livro cedido em parceria com a editora Arqueiro para resenha 

Imagine uma pessoa que pensa nas mais malucas e inusitadas situações. Pensou? Pois esta é Julie, a destemida protagonista desse romance super divertido e inusitado do escritor francês Gilles Legardinier que chegou ao Brasil pela editora Arqueiro este ano.

Neste livro acompanhamos os dias de Julie, uma moça divertida e cheia de vida que tem certa fixação por gatos (daí o gatinho da capa e os gatinhos dentro das páginas) e uma mania de ir a fundo quando “cisma” com alguma coisa - como a repentina obstinação em descobrir quem é seu mais novo vizinho, Ricardo (Ric) Patratas ou a iminente mudança de emprego. E assim Julie supera seus medos e incertezas sempre contando com uma boa dose de bom humor e com a ajuda daqueles que estão à sua volta (amigos e vizinhos-praticamente-amigos).

“Talvez fosse melhor comemorarmos nossos fracassos... Nada de pódio, nada de falsa glória, apenas a felicidade de estarmos vivos, lado a lado [...]”
(Gilles Legardinier, p.6)

Apesar de apresentar um lado mais cômico (sério, as situações que a Julie imagina são extremamente inusitadas e divertidas na mesma medida!), o romance de Legardinier possui uma face bastante auto reflexiva acerca da vida de um modo geral.

“É na adversidade que se descobre a verdadeira natureza das pessoas. Do fundo do poço se tem uma visão única e muito reveladora das almas. Restam, então, apenas dois tipos de pessoas à sua volta: as que ajudam e as que se aproveitam da sua situação difícil [...]”
(Gilles Legardinier, p.57)

Sempre com uma tirada bem humorada e ao mesmo tempo bem pensada, acompanhamos o dia a dia desta jovem que está, como muitos de nós, descobrindo o que fazer com a própri vida, que rumos tomar no que diz respeito à carreira e até mesmo à sua vida pessoal, entre idas e vindas, altos e baixos, aprendendo sempre com seus erros e buscando melhor naquilo que for possível.

“[...] Entre o preto e o branco, descobrimos que existe o cinza. Conhecemos pessoas que não são propriamente amigas, mas de quem mesmo assim gostamos um pouco e consideramos próximas, só que não param de nos apunhalar pelas costas. Eu não acho que a descoberta de nuança seja uma renúncia nem uma falta de integridade. É apenas um outro jeito de ver a vida [...]”

(Gilles Legardinier, p.139)

Essa silhueta de gatinho vem em todas as páginas à direita, e quando você passa as páginas, parece que o gatinho está andando e pulando. Muito fofinho ^^

Um romance fofo, inusitado e muito divertido (Dei boas risadas enquanto lia esse livro), sendo no fim uma boa leitura para relaxar, curar aquela ressaca literária e de quebra ainda repensar em alguns aspectos da própria vida (não que este seja um livro que mudará vidas; apenas me fez repensar algumas coisas), e mesmo com o clichê romântico que se desenvolve muito rapidamente (odeio isso!), tirando isso, é uma história bem bacaninha ^^

Leitura, portanto, mega recomendada!

“[...] É preciso torcer por tudo, mesmo correndo o risco de se ferir, entregar tudo, mesmo correndo o risco de ser roubado. Aquilo que vale a pena ser vivido obrigatoriamente nos põe em perigo [...]”

(Gilles Legardinier, p.165)


293 páginas | 1ª edição | 2017 | Arqueiro



Um comentário:

  1. Belle querida que resenha legal, eu não fazia ideia do que esperar desse livro. Bom saber que ele é ideal para relaxar a mente e se divertir com as tiradas da protagonista. Além disso ainda dá para refletir sobre alguns temas. Dica mais que anotada. Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir