quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Resenha {Livro} Os segredos de Colin Bridgerton (Julia Quinn)

Penelope Featherington, a filha do meio da família Featherington, era a moça rejeitada na sociedade londrina. Nunca escolhida para dançar nos bailes da alta sociedade e com uma paixão secreta por um dos solteiros mais cobiçados de Londres, Penelope já havia se conformado com sua solteirice, especialmente quando sua melhor amiga, Eloise Bridgerton, parecia que também ficaria solteira após tantas temporadas de casamento infrutíferas.

“Um amor não correspondido não era nada fácil de administrar, mas ao menos Penelope Featherington já estava acostumada a isso.”
(Julia Quinn)

Agora, uma moça mais madura, a sempre esperta e inteligente Penelope, tinha outros planos em mente além do casamento (o principal objetivo das moças e mães de moças da época), ainda mais quando o alvo de seu desejo, Colin Bridgerton, a via como uma irmã, não passando de um grande amigo para a jovem. Portanto, era melhor deixar as coisas como estavam e seguir com sua vida.

Colin, por sua vez, sempre fora visto como o Bridgerton bonito e bem humorado e que gostava de viajar. Porém ele era mais do que só um “rosto bonito” e divertido, e agora que estava mais velho, sentia que precisava fazer algo para que a alta sociedade londrina o visse como algo mais, o visse como ele realmente era: alguém inteligente e esperto além de bonito e engraçado.

“E, no entanto, ainda sentia aquele vazio insistente. Um anseio, na verdade, por algo que não conseguia definir. Sentia inveja dos irmãos, por terem encontrado suas paixões, por estarem construindo um legado.”
(Julia Quinn)

Enquanto isso, a famosa escritora das Crônicas da Sociedade, Lady Whistledown (amo muito ) declara que irá se aposentar, deixando os membros da sociedade londrina desesperados com a perspectiva de não terem mais as fofocas de seus amigos e conhecidos; e diante disso, Lady Danbury propõe um desafio que deixa a todos, já chocados com a declaração de Lady Whistledown, ainda mais em polvorosa: quem descobrisse a verdadeira identidade da escritora secreta ganharia mil libras! E assim começa a “caça”, onde mesmo aqueles que não precisam do dinheiro resolvem ariscar a sorte pela diversão. Assim, os leitores e leitoras da coluna de Lady Whistledown dão seu palpite, como as amigas Penelope e Eloise.

Este livro, o quarto volume da série Os Bridgertons, trás uma história de amor um tanto diferente dos anteriores. Embora tenha ainda um pouco do clichê dos casais apaixonados, Colin e Penelope são muito mais parecidos do que eles mesmo esperavam, ambos espertos, inteligentes e espirituosos.
Mas o que me conquistou  de verdade neste romance foram as referências (Capitão América aprova!). Tem referência a O guia do mochileiro das galáxias, Star Wars, Harry Potter (sutis, porém estão lá), além do próprio processo de escrita, como uma personagem afirma ser algo trabalhoso e ao mesmo tempo prazeroso (“- A sensação de saber que escolheu as palavras perfeitas [...] Só é possível apreciar isso depois de ficar horas olhando para uma folha de papel em branco sem ter a menor ideia do que escrever.”), e este foi, a meu ver, o ponto principal da narrativa (e vou parando por aqui senão pode acabar saindo algum spoiler).

Enfim, recomendo esta leitura como todas as outras da queridíssima Julia Quinn, que até o momento não me decepcionou, trazendo sempre alguma novidade que ultrapassa o “felizes para sempre” das histórias de amor.

“Ela o amava. Sempre o amara. Até mesmo agora, que estava tão irada com ele que mal o reconhecia, quando ele estava tão irado com ela que ela nem ao menos sabia se gostava dele, o amava.
E queria ser sua.”
(Julia Quinn)

336 páginas | 1ª edição | 2014 | Arqueiro



Nenhum comentário:

Postar um comentário